Cinema

Porta dos Fundos lança filme com leis de incentivo: “Cultura virou crime”

cena-do-filme-porta-dos-fundos---contrato-vitalicio-1467045144014_956x500

Autorizado a captar R$ 7,5 milhões via Ancine (Agência Nacional do Cinema), a comédia “Contrato Vitalício”, primeiro filme do grupo humorístico Porta dos Fundos, a maior parte dos R$ 5,6 milhões do orçamento do longa é oriunda de leis de incentivo à cultura, além de investimento próprio do grupo, que também é uma produtora.

“Toda área tem incentivo à cultura. A automobilística, a bélica, o que é pouco comentado. A cultura representa menos de 1% das leis de incentivo”, afirmou o humorista Gregório Duvivier durante a entrevista coletiva de divulgação do longa, realizada nesta terça-feira (28) em São Paulo.

“O problema é que a cultura vem sendo criminalizada por certa parte da população”, completou, antes de pedir que impostos incidam sobre instituições religiosas, grupos que, na opinião do colega Antônio Tabet, dão voz a esse discurso. “Tributação das igrejas já”, pediu Duvivier.

O ator Fábio Porchat, um dos roteiristas do filme dirigido por Ian SBF, também comentou o assunto, afirmando que a tão demonizada Lei Rouanet precisa ser revista. Igualmente a forma como parte das pessoas interpreta o mecanismo, criado no governo Collor em 1991.

“Nesse debate do dia a dia, acaba que ninguém sabe como a lei funciona, acha que o artista recebe diretamente o dinheiro público. Mas há questões, sim, que têm que ser melhoradas.

Estrelado pelo elenco do Porta dos Fundos, “Contrato Vitalício” estreia na próxima quinta-feira. A comédia conta a história de um cineasta que some após ser premiado em Cannes, voltando dez anos após supostamente ser raptado por “extraterrestres do centro da Terra”.

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios