Notícias

Com “Vinyl”, HBO conta bastidores do rock, disco e hip-hop nos anos 70

  • Divulgação/HBO

    Com "Vinyl", HBO conta bastidores do rock, disco e hip-hop nos anos 702016 – Bobby Cannavalle é Richie Finestra, protagonista de Vinyl

A apreciação por discos de vinil tem sido retomada há pelo menos cinco anos, especialmente após a explosão do “hipsterismo”. E mesmo que antes disso já houvesse os apreciadores que nunca abandonaram o formato, agora os LPs voltaram a ser moda e são encontrados também fora dos sebos. Os próprios artistas, quando vão a programas de TV promover seus novos trabalhos, levam uma cópia em vinil para os apresentadores.

Na onda do “revival”, a HBO lança neste domingo (14) a série “Vinil”, com produção do diretor Martin Scorsese e do líder dos Rolling Stones, Mick Jagger.

Durante o lançamento do programa no início deste ano, em Los Angeles, Jagger afirmou que essa “modinha” é mesmo coisa da juventude. “Eu nunca ouço, mas meus filhos só ouvem [esses discos]…”

O personagem central da série, Richie Finestra (Bobby Cannavale, de “Boardwalk Empire”), é presidente de uma grande gravadora que está em crise. E esta crise é fruto de sua instabilidade emocional e de seu vício em cocaína. Mesmo assim, seus sócios não querem vendê-la para a Poligram, sob risco de perder o contrato do Led Zeppelin.

Apesar de a American Century Records (a gravadora de Richie) estar mal das pernas financeiramente, a série mostra, na verdade, um período de auge do vinil, em que o dinheiro entrava e saía com a maior facilidade, proporcionando a seus artistas contratos milionários e um estilo de vida extravagante.

Em meio a isso tudo, ícones dos anos 1970 desfilam pelas cenas em situações fictícias, mas com base em fatos verossimilhantes. Por exemplo, em “Vinil” a American Century Records, desesperada por um novo hit, recusa o Abba. Fato semelhante é contado na biografia da banda sueca, lançada no Brasil em 2014.

Para Bob Cannavale, o roteiro acaba contando às novas gerações a história da indústria fotográfica, o auge de ritmos ainda hoje populares como o rock e a disco, e o surgimento do hip hop.

“A indústria da música mudou completamente do que era porque antes os artistas gravavam discos e agora eles estão em turnês. É assim que eles fazem dinheiro agora. Agora, de vez em quando aparecem essas anomalias na indústria como a Adele, que vendeu milhões de CDs em uma época em que não se vende mais CD”, disse o ator.

Ele mesmo afirma participar deste “revival”. “É muito verdade que estamos voltando a isso [o vinil]. Eu estou reformando minha casa no Brooklin e estou evitando colocar coisas hi-tech. Estamos querendo voltar a um tempo em que apreciávamos como algo era construído. E agora eu estou procurando um toca-discos, como uma peça da mobília mesmo. E eu gosto de pegar o vinil, ver o folder, as letras das músicas… Acho que é isso…”

“Não posso contar”

Um dos aspectos que mais chamam a atenção para o período, quando se fala de música, são as histórias de bastidores: porres, orgias, overdoses, brigas e todos os escândalos que fizeram os grandes astros da música ainda mais notórios fora do palco.

Durante a entrevista, Cannavale disse ter conversado com Mick Jagger sobre aquela época e que se sentia como se caminhasse “ao lado do sol”. Mas as histórias cabeludas, ele manteve em segredo — o que não significa que elas não estejam na série.

“É muito privado… Eu não quero falar… Tudo que não preciso é do Mick Jagger ligando pra mim depois [pra tirar satisfação]”, disse aos risos.

E a presença do rolling stone não aconteceu apenas nos créditos. Seu filho James Jagger o interpreta em um dos episódios em que a banda aparece. Fora isso, conforme conta Ray Romano (de “Everybody Loves Raymond”), que em “Vinil” interpreta o sócio de Richie, Zak Yankovich, Jagger também aparecia durante as filmagens, o que causava burburinho mesmo entre as estrelas.

“A gente ficou sabendo um dia que ele estava lá fazia três horas assistindo tudo e eu só o encontrei a primeira vez nesse dia, na hora do almoço. Vieram a disseram pra gente: ‘Ele quer conhecer vocês!’ Aí ele chegou, apertou minha mão e falou que estava adorando tudo. Durou 20 segundos. Fora isso, eu ouvi que ele acompanhou episódio por episódio e dava suas opiniões, dizendo que tal história tinha acontecido diferente do que estava no roteiro.”

Como por exemplo? “Ah, não posso contar…”

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios