Famosos

Rafa Kalimann posta stories homofóbico, apaga e se desculpa no Twitter

Publicidade

No domingo (30), a ex-BBB Rafa Kalimann ficou entre os assuntos mais comentados da internet após postar em seu Instagram um vídeo mostrando um pastor falando sobre casamento LGBTQ+ com expressões bastante homofóbicas.

Após a postagem do vídeo ela foi duramente criticada nas redes sociais e logo apagou o vídeo, em seguida foi ao Twitter se desculpar, dizendo que não era o seu pensamento.

“Sinto muito se ofendi, e se pareceu que eu discordo de relacionamentos afetivos. Apaguei depois de ver que estavam levando como opinião minha, e está longe de ser, muito pelo contrário”.

O que muitos seguidores não entenderam foi o fato da ex-BBB ter apenas se desculpado no Twitter, onde há um grande número de pessoas LGBTQ+ e não em seu Instagram, onde a polêmica aconteceu e ela tem mais seguidores.

No vídeo compartilhado, o Pastor Cláudio Duarte conta seu ponto sobre o casamento homoafetivo.

Publicidade

“Não sou a favor do relacionamento. Por mais que eu respeite, tenho as minhas convicções. Tenho a base daquilo que acredito. Eu fui criado – é até algo difícil de falar. O meu pai se casou diversas vezes, e eu fui criado por muitas famílias diferentes. Por onde passei, muitas vezes saí desses lares porque não falava. Porque não cumpria o padrão daquela casa. Me via mudando. Não fui maltratado, mas tinha o padrão de uma casa que não era a outra, e quando estava lá, não seguia aquele padrão. O que eu falava me causava mal. Em um desses lares, vivi com um cara que foi meu irmão. Ele tinha uma situação melhor que a minha, eu usava as roupas dele. Se você me perguntar se eu acho certo, eu vou dizer que não. Mas isso não nos torna inimigos. Por que não vou sentar com você e bater um papo? Por que não posso te dar um abraço e te respeitar? Por que você não pode fazer uma visita à igreja que eu pastoreio e ser bem recebido? Essa coisa absurda da extremidade que torna o mundo no que está. Nunca vou negociar com divórcio, adultério, com homossexualidade. Não vou negociar, mas vou amar, vou respeitar”.

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo