Empresária pede bloqueio do salário de Alexandre Frota por dívida em boate gay

By



Deputado Alexandre Frota durante sessão de votação para presidente da Câmara dos Deputados.

Uma empresa está pedindo o bloqueio de salário do deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP) por um calote em boate gay. Em 2006, a Agita Cultural, da empresária brasiliense Nice Pereira, organizou uma “Festa do Orgulho Gay em Brasília” e Frota, que atuava em filmes pornôs, seria a estrela do evento.

De acordo com o jornalista Guilherme Amado, da revista Época, o então ator assinou um contrato com cachê de R$ 2 mil, sendo que metade do valor foi pago após a assinatura e a outra metade antes da festa, além de diárias e passagens. O show teria uma hora e meia de duração, mas Frota não compareceu. A empresária, então, se irritou e foi à Justiça pedindo reparação de danos materiais e morais, mas só obteve sentença favorável para o primeiro pleito.

Desde então, corre um processo contra Frota no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e o valor subiu de R$ 30 mil para R$ 80 mil, pois o atual deputado federal raramente era localizado, assim como seus bens, mesmo quando ele atuava em emissoras conhecidas, como Record e SBT. Quando se tornou parlamentar, os problemas aumentaram.

Em seu primeiro vencimento, Frota teve um “desconto judicial” de mais de R$ 10 mil referente a outra dívida, com o Banco Econômico. Por isso, a estratégia jurídica que Nice Pereira deve seguir, segundo a revista Época, é pedir ao TJDFT que bloqueie o restante do salário de Alexandre Frota, por volta de R$ 12 mil.

You may also like