Famosos

Torturado no regime militar, Amado Batista diz preferir a ditadura

Mesmo tendo sido torturado durante o regime militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, o cantora Amado Batista voltou a defender a ditadura, durante uma entrevista no “Programa do Porchat”, da Record. No bate-papo que foi ao ar nesta quarta-feira (05), o músico disse que gosta da democracia, mas só onde as leis são cumpridas.

“Prefiro a ditadura a essa anarquia que está hoje. Adoro a democracia, mas como nos Estados Unidos, onde as leis são cumpridas“, disse antes de declarar seu apoio ao deputado Jair Bolsonaro: “Democraticamente, tem que ser Jair Bolsonaro”.

Amado Batista explicou porque foi torturado durante o período da ditadura. “Fui preso porque trabalhava em uma livraria e deixava os intelectuais lerem os livros proibidos. Foi um mês de tortura e um mês de descanso”, revelou. Em 2013, durante uma entrevista à Marília Gabriela, o cantor já havia declarado que “mereceu” ser torturado. “Fiz coisas erradas, eles me corrigiram, assim como uma mãe que corrige um filho“, disse ele na época.

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios