História de assassino de aluguel brasileiro que matou quase 500 vira filme

Com temas fortes e polêmicos, três livros de não-ficção escritos pelo jornalista pernambucano Klester Cavalcanti, 47, vão virar filme em breve. As filmagens de um deles, "O Nome da Morte" (2006), começaram há duas semanas, no Tocantins. O longa tem direção de Henrique Goldman (de "Jean Charles") e elenco global, com Marco Pigossi, Fabíula Nascimento e André Mattos.

por

Com temas fortes e polêmicos, três livros de não-ficção escritos pelo jornalista pernambucano Klester Cavalcanti, 47, vão virar filme em breve. As filmagens de um deles, “O Nome da Morte” (2006), começaram há duas semanas, no Tocantins. O longa tem direção de Henrique Goldman (de “Jean Charles”) e elenco global, com Marco Pigossi, Fabíula Nascimento e André Mattos.

Divulgação

História de assassino de aluguel brasileiro que matou quase 500 vira filme
Capa do livro “O Nome da Morte”

O filme contará a história real de um assassino de aluguel que atende pelo nome de Julio Santana. Em 35 anos atuando como pistoleiro, ele matou quase 500 pessoas, porém convive com o medo de ir para o inferno por seus pecados. Julio foi preso apenas uma vez, mas solto após subornar ao delegado.

O galã Marco Pigossi interpretará o matador no cinema. “Queremos fugir do estereótipo”, disse o ator, por telefone, de Tocantins onde está para as gravações. “O Julio Santana foge de tudo o que já fiz. Queremos mostrar o lado humano do matador”. O livro foi lançado recentemente na Alemanha com o título “Der Pistoleiro”.

Fernando Meirelles, indicado em 2004 ao Oscar de melhor diretor por “Cidade de Deus”, é produtor executivo do filme e assina o prefácio do livro “A Dama da Liberdade” (também de autoria de Klester). O cineasta disse que a história do assassino de aluguel tem o mesmo conflito de Mr. White, de “Breaking Bad”. “É um bom sujeito que faz coisas más e não quer que elas afetem a sua vida”, analisou. “O livro conta a história do ponto de vista dos personagens e não pelo do jornalista que olha de fora”.

Para o diretor Henrique Goldman, que está acostumado em retratar nas telonas histórias reais, como foi o caso da morte do brasileiro Jean Charles, no metrô de Londres, o desafio é falar de algo hediondo de maneira natural. “Vivemos em uma sociedade onde impera a impunidade. Em outro contexto, talvez nunca existisse um Julio Santana”, apontou.

Os outros dois livros de Klester Cavalcanti “Dias de Inferno na Síria” (2012) e “A Dama da Liberdade” (2015) também já estão encaminhados para o cinema.

O primeiro, que narra a prisão de Klester na Síria – quando ele foi ao país fazer uma reportagem sobre a guerra e foi detido pelo Exército Sírio -, terá direção de Caco Ciocler e Mateus Solano interpretando o jornalista.

O segundo filme, “A Dama da Liberdade”, contará a história da auditora fiscal do trabalho Marinalva Dantas, que libertou 2354 trabalhadores escravos no Brasil em pleno século 21. Os direitos do livro foram vendidos para a Paris Filmes. Os nomes do diretor e do elenco ainda não foram divulgados.

Narrativa cinematográfica

O ator Caco Ciocler, que vai dirigir “Dias de Inferno na Síria”, afirma que o livro é quase um roteiro. “O fato de 80% da história se passar dentro de uma pequena cela exige um roteiro e uma decupagem muito específicas”, analisou. “É assustador que Klester tenha vivido essa história em 2012 e ainda hoje o conflito na Síria seja notícia quase diária”, completou. “Para mim, o mais bonito do livro é que ele promete uma aventura épica, mas entrega uma história íntima num cenário devastado pela guerra”.

Divulgação

História de assassino de aluguel brasileiro que matou quase 500 vira filme

Cena dos bastidores das filmagens de “O Nome da Morte” no Tocantins

“História de assassino de aluguel brasileiro que matou quase 500 vira filme” width=”0″ height=”0″ />

O diretor Bruno Barreto, indicado em 1997 ao Oscar de melhor filme estrangeiro por “O Que é Isso, Companheiro?”, percebeu essa característica cinematográfica nas obras do jornalista e o convidou recentemente para ser o roteirista de um documentário sobre trabalho escravo na TV.

“Klester não tem medo da emoção. Por isso, ele não precisa da rede de segurança da narrativa minimalista”, disse o diretor. “Quando os personagens são reais, é fundamental respeitar a essência deles. Se isso não é possível, a primeira coisa a fazer é mudar o nome. As vezes a realidade não é verossímil”, analisou.

Embora os filmes ganhem vida própria quando são adaptados dos livros, uma característica das obras de Klester deverá se manter: o nome real dos personagens. “Faço questão de dar nome e sobrenome de todas as pessoas citadas nos meus livros. Se você escreve um livro e não identifica o personagem, então é ficção”, analisou.

“O Julio era contratado para matar e os mandantes têm tanta culpa quanto ele. No livro, eu dou o nome e o sobrenome dessas pessoas, como no caso do ex-prefeito de uma cidade, que foi o mandante de uma dessas mortes”, explicou o autor.

“Nunca escrevi livro de ficção, mas gosto muito. O que eu faço é muito próximo da ficção, tanto é que meus autores favoritos também foram jornalistas, como Dostoiévski, Saramago e Garcia Márquez”, concluiu o jornalista.

Você também vai curtir