Televisão

Com paralisia facial, Felipeh Campos tem alta e volta a trabalhar

  • Reprodução/Facebook/Thiago Rocha

    Com paralisia facial, Felipeh Campos tem alta e volta a trabalharThiago Rocha, João Kleber, Marco Feliciano e Felipeh Campos no programa “Você na TV”

Ex-“A Fazenda 7”, Felipeh Campos voltou a trabalhar após ter ficado internado desde a última segunda-feira (18) no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, com quadro de paralisia facial. O jornalista gravou nesta sexta-feira (29) o programa “Você na TV”, da RedeTV!, que teve a participação do pastor e deputado federal Marco Feliciano.

Felipeh participou do programa de João Kleber com o rosto parcialmente paralisado, como mostrou o jornalista Thiago Rocha, da RedeTV!, que publicou em seu perfil no Facebook uma foto ao lado do colega nos bastidores da gravação.

O ex-fazendeiro recebeu alta na última terça e informou a seus seguidores na internet o próximo passo para sua recuperação total, que poderá durar de três a sete semanas.

“O tratamento com as medicações continuarão, e terei de vir ao hospital todos os dias no mesmo horário fazer a medicação endovenosa. Repouso e descanso para os próximos 30 dias. Ufa! Até que enfim”, escreveu o jornalista no Facebook.

Meningite e zika vírus

Reprodução/Instagram/felipehcampos

Com paralisia facial, Felipeh Campos tem alta e volta a trabalhar

Felipeh Campos com paralisia facial

Com paralisia facial, Felipeh Campos tem alta e volta a trabalhar” width=”0″ height=”0″ /> Além da paralisia facial, Felipeh foi diagnosticado com meningite. Ao Popzone, ele disse que perdeu imunidade e teve infecções provocadas pelo zika vírus.

“Graças a Deus fui diagnosticado rapidamente e já estou tomando antibiótico endovenoso. A meningite é viral, não tem risco de contágio nem preciso ficar em isolamento, mas o ‘tratamento de choque’, como costumo dizer, deve ser feito no hospital”, explicou Felipeh.

Segundo ele, a infecção no rosto e na meninge (membrana que protege o sistema nervoso central) foram provocadas pela queda de imunidade após contrair o zika vírus, em outubro, durante uma viagem ao Recife (PE).

“Comecei a ter febre, mas ainda não estavam falando de zika. Os hospitais não faziam teste e, quando faziam, demorava cinco dias. Fiquei correndo atrás de diagnóstico durante um mês e meio. Depois, tive várias infecções, na garganta, no ouvido, minhas articulações incharam. Estava parecendo hipocondríaco, louco por hospital”, recorda.

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios