I Love Paraisópolis – Lima Duarte já planeja outra novela

Pedro Curi/TV GloboLima Duarte como Don Peppino em "I Love Paraisópolis" Era para ser uma participação de apenas três dias, mas quiseram os autores Alcides Nogueira e Mário Teixeira que Lima Duarte ficasse mais tempo no ar em "I Love Paraisópolis". Aos 86 anos, Seu Lima, como é chamado pela equipe no estúdio, diz que às vezes se pergunta por que aceitou voltar ao ritmo intenso de uma novela e até fala em aposentadoria, mas em ação ninguém diz que existe cansaço. É com bom humor e entusiasmo que ele se transforma num mafioso italiano em segundos e faz todo mundo rir de suas performances sempre inspiradas.

por

limsLima Duarte como Don Peppino em “I Love Paraisópolis”
Era para ser uma participação de apenas três dias, mas quiseram os autores Alcides Nogueira e Mário Teixeira que Lima Duarte ficasse mais tempo no ar em “I Love Paraisópolis”. Aos 86 anos, Seu Lima, como é chamado pela equipe no estúdio, diz que às vezes se pergunta por que aceitou voltar ao ritmo intenso de uma novela e até fala em aposentadoria, mas em ação ninguém diz que existe cansaço. É com bom humor e entusiasmo que ele se transforma num mafioso italiano em segundos e faz todo mundo rir de suas performances sempre inspiradas.

“Quando o personagem voltou, trabalhei de uma maneira insana. Era o dobro do que é hoje, tinha que encaixar de alguma maneira o Don Peppino nesse painel de grandes personagens. Tinha momentos de muita canseira, das 7h da manhã às 19h. Pensava: ‘Por que eu faço isso? Não preciso mais. Vou parar'”, conta ele, num intervalo entre várias cenas rodadas em sequência no Projac.

“Mas não quero que minha última novela seja ‘Paraisópolis’, espero que haja outra. Fico feliz que os autores e os colegas tenham gostado. Mas vou para o meu sítio ficar esperando outra oportunidade”, afirma ele, que garante não ficar preso aos trabalhos do passado. “Penso no futuro”, diz.

O fato de o personagem ter sido reinserido numa fase mais avançada na trama – após uma breve aparição nos primeiros capítulos da novela – causa algum estranhamento ao intérprete, que por vezes se sente perdido na história. Ao ensaiar uma sequência em que Gabo (Henri Castelli) o acusa de ter ferido gravemente Ximena (Carol Abras), Seu Lima não se contém. “O que eu fiz pra Ximena? Ela foi jogada no fogo?”, pergunta, inocente, ao colega. Quem o vê em cena, no entanto, acredita que ele sabe de cada detalhe.

“Eu caí meio de paraquedas na novela, sou meio um outsider. Não conheço ninguém, não sei os personagens, não conheço bem a história. No horário da novela estou gravando. Ele é meio fora da curva porque é uma composição com tiques, com sotaque, é um velho trêmulo”, conta o veterano, que buscou inspiração na trilogia “O Poderoso Chefão”, de Francis Ford Coppola.

TV Globo/Divulgação
limasss

I Love Paraisópolis Não deixar o sotaque transformar o papel numa caricatura, aliás, é uma preocupação do intérprete. Bom de ouvido, como ele mesmo diz, ele buscou na memória a inspiração para deixá-lo o mais crível possível. “Ele é bem pensado, está bem elaborado. Eu gosto muito de línguas. O sotaque é o dos meus amigos do Brás, da Mooca, do Belenzinho. Quando cheguei a São Paulo (o ator é mineiro), fui trabalhar no Mercadão. Tenho na cabeça e no coração os gestos e a prosódia dos velhos italianos que construíram São Paulo”, lembra.

Seu Lima já pediu aos autores para terminar cantando uma ópera, mas afirma que não faz ideia de qual desfecho o espera no último capítulo da novela, que vai ao ar no dia 6 de novembro. Mas, num exercício de imaginação, ele dá um fim criativo ao personagem: “Acho que ele poderia se casar com uma dessas meninas e morrer na noite de núpcias”, diz ele, fazendo graça.

Dono de uma excelente memória, capaz de relacionar antigos personagens e as datas de trabalhos importantes – alguns pioneiros na TV –, o ator não se deixa levar pelos elogios dos colegas mais jovens. “Eles são muito gentis”, diz ele, que procura passar a tranquilidade de sua experiência.

“Em televisão, trabalha-se muito, é duro, é pesado. Tem muita cobrança, muita pressão em cima da moçada, e um velho profissional como eu entende tudo isso. Procuro acalmá-los: ‘Tudo bem, se não for nessa, vai na outra’. Novela é complicado. Se você vai muito bem, todo trabalho fica em cima de você, se não vai bem, te mandam embora”, analisa.

A construção de Grego por Caio Castro é elogiada pelo veterano, assim como o carisma de Tatá Werneck. “Ela é um milagre da comunicação. Ninguém entende o que ela fala, mas ri do que ela diz! O que fica é a graça, o charme. Ela tem uma empatia milagrosa”, afirma.

Você também vai curtir