Cinema

Cartaz de “Narciso em Férias” Traz Imagem Rara de Caetano Veloso Preso

Publicidade

Produzido por Paula Lavigne, em coprodução com a VideoFilmes, documentário sobre prisão do artista é o único filme brasileiro no Festival de Veneza e será exibido dia 7 de setembro. 

Foto: Assessoria de Imprensa Primeiro Plano

O cartaz de “Narciso em Férias”, filme brasileiro que estreia mundialmente no 77º Festival de Veneza dia 7 de setembro, traz uma foto rara de Caetano Veloso preso. A imagem, descoberta pelo pesquisador Lucas Pedretti, faz parte dos arquivos secretos mantidos pela ditadura militar. Caetano foi preso em dezembro de 1968 e a fotografia foi tirada no início de 1969. 

Na foto do cartaz, Caetano aparece com o cabelo curto, raspado dos lados. Ele havia acabado de ter seus longos cachos cortados pelos militares. O episódio é recordado pelo artista em “Narciso em Férias” como um dos momentos de maior tensão de seu período na prisão. “Eles me tiraram da cela e disseram: ‘Ande em frente e não olhe para trás!’. Eu pensei que eles iam atirar”, lembra. “Mas eles me levaram no barbeiro. Eu tinha um cabelo grande, todo cacheado, grandão, e eles cortaram meu cabelo. Eu fiquei feliz porque não ia morrer, e eu não podia nem demonstrar a minha felicidade, adorando aquele barbeiro cortando o meu cabelo. Eles cortaram como se fosse um soldado, rasparam na lateral, deixaram baixinho em cima, depois me levaram de volta. Aí eu cheguei, e os meninos todos disseram: Poxa, cortaram o seu cabelo’… Porque aquilo era uma coisa simbólica de liberdade, mas eu estava feliz porque não me mataram”. 

Foto: Assessoria de Imprensa Primeiro Plano

O cartaz do documentário é assinado pela designer Claudia Warrak. A imagem de Caetano preso também ilustrará a capa do livro “Narciso em Férias”, que a Companhia das Letras lança este mês. Originalmente, esse era também o título dado por Caetano ao capítulo sobre a prisão em seu livro “Verdade Tropical”. Agora, o capítulo será publicado como um livro à parte em “Narciso em Férias”, acrescido de uma seleção dos documentos da ditadura militar sobre Caetano, descobertos pelo pesquisador Lucas Pedretti. 

O título do documentário e do livro foi tirado por Caetano Veloso do romance “Este Lado do Paraíso”, do escritor norte-americano F. Scott Fitzgerald. Ele se refere ao fato de Caetano ter passado quase dois meses sem se olhar no espelho. 

Publicidade

Sobre “Narciso em Férias” 

Publicidade

Dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil (mesma dupla de “Uma Noite em 67”), “Narciso em Férias” é uma realização Uns Produções, produzido por Paula Lavigne, e coproduzido pela VideoFilmes, de Walter Salles e João Moreira Salles. O filme será exibido pela primeira vez no 77º Festival de Veneza, que acontece de 2 a 12 de setembro, na ItáliaO filme será exibido dia 7 de setembro* na Sala Grande, a principal do evento, na seção oficial Out of Competition. Devido à pandemia de Covid-19, a capacidade dos cinemas foi reduzida em 50% e o número de sessões, ampliado. 

Foto: Assessoria de Imprensa Primeiro Plano

No longa, Caetano Veloso relembra sua prisão pela ditadura militar, quando ele e Gilberto Gil foram retirados de suas casas em São Paulo por agentes à paisana no dia 27 de dezembro de 1968, 14 dias depois de decretado o AI-5. Sem receber explicações do regime, foram levados ao Rio de Janeiro, deixados em duas solitárias por uma semana e depois transferidos para celas. A censura prévia impediu os jornais de divulgarem suas prisões. Cinquenta e dois anos depois, Caetano relata o período mais duro de sua vida e reflete sobre os 54 dias que passou encarcerado. 

 

*SESSÕES NO FESTIVAL DE VENEZA: Horários (GMT+2) 

06/09/2020  

Sala Perla, às 20h, Sala Perla 2, às 22h15 (credenciados) 

07/09/2020 

Sala Grande (Sessão de gala), às 14h (credenciados) 

08/09/2020 

Astra 1, às 9h, e Astra 2, às 9h15 (público) 

Sala Pasinetti, às 13h45 e às 16h45 (credenciados) 

Astra 1, às 14h15, e Astra 2, às 14h30 (credenciados) 

Sala Perla 2, às 17h (credenciados) 

 

Sinopse:   

No dia 27 de dezembro de 1968, Caetano Veloso foi retirado de sua casa em São Paulo, confinado em uma solitária por uma semana no Rio de Janeiro e depois transferido para outras celas. Ao todo, ficou 54 dias na prisão. Cinquenta e dois anos depois, o compositor traz memórias e reflexões sobre o período mais duro de sua vida. O artista faz um relato íntimo e detalhado sobre os dias na solitária, relembra e interpreta canções que marcaram o período de confinamento e revisita episódios dolorosos vividos com outros presos, como seu amigo Gilberto Gil, preso no mesmo dia. 

Ficha Técnica:   

Uma realização UNS PRODUÇÕES, produzido por Paula Lavigne   

Coprodução: VideoFilmes  

Direção e roteiro: Renato Terra e Ricardo Calil  

Direção de Fotografia: Fernando Young  

Produção Executiva: Paula Lavigne  

Direção de Produção: Henrique Alqualo  

Montagem: Henrique Alqualo e Jordana Berg, edt  

Pesquisa: Lucas Pedretti  

Som Direto: Valéria Ferro  

Mixagem e edição de som: Ernesto Sena, ARPX Audio  

 

Renato Terra:  

Foto: Bruno Santos/ Folhapress – Assessoria de Imprensa Primeiro Plano

Codiretor, com Ricardo Calil, de ‘Uma Noite em 67′ (2010), ‘Eu sou Carlos Imperial’ (2016) e “Narciso em Férias” (2020). Também dirigiu “Fla x Flu – 40 Minutos Antes do Nada” (2013), que ganhou o prêmio do público no Festival do Rio. Coautor do livro “Uma Noite em 67″ (Ed. Planeta) e autor do “Diário da Dilma” (Companhia das Letras); É roteirista do programa “Conversa com Bial” e colunista da Folha de S. Paulo. 

Ricardo Calil:  

Foto: Assessoria de Imprensa Primeiro Plano

Diretor do documentário “Cine Marrocos” (2018), vencedor do É Tudo Verdade 2019 e premiado em Guadalajara (Mexico) e DokLeipzig (Alemanha). Codirigiu a série “Em Nome de Deus” (2020), sobre o médium João de Deus, para a Globoplay. É codiretor, com Renato Terra, dos documentários “Uma Noite em 67″ (2010), “Eu Sou Carlos Imperial” (2016) e “Narciso em Férias” (2020); coautor do livro “Uma Noite em 67″ (Ed. Planeta); roteirista do programa “Conversa com Bial”; foi crítico de cinema da Folha de S. Paulo e do site NoMínimo.

Uns Produções & Filmes:   

A Uns Produções & Filmes é conhecida pelas suas conquistas como editora e produtora musical atuando na carreira de artistas como Caetano Veloso, Teresa Cristina, MajurHiran, Banda Dônica, Mosquito e Zé Ibarra. À frente está Paula Lavigne, empresária reconhecida internacionalmente no show business.   

Na área cinematográfica foi uma das responsáveis por grandes produções, participando ativamente da ascensão do cinema no Brasil. Dedicou-se à produção cinematográfica em filmes como Orfeu, Benjamim e Lisbela e o Prisioneiro, considerado um dos maiores sucessos da indústria cinematográfica brasileira, entre outros. Sempre pensando em novos projetos, Paula já tem no gatilho outras produções, tanto para o cinema quanto para a carreira de Caetano Veloso.   

Produções:   

· Cinema: Reis e Ratos (2012); O Bem Amado (2010); Romance (2008); Coração Vagabundo (2008); Ó Pai ó (2007); O Coronel e o Lobisomem (2005); 2 Filhos de Francisco (2005 – Produtora associada); Meu Tio Matou um Cara (2004); Lisbela e o Prisioneiro (2003); Benjamim (2003); Caetano Vida e Obra – Documentário (2002); Orfeu (1999); Gêmeas (1999 – Coprodutora).   

· Música: Teresa Cristina canta Noel (2020); Videoclipe “Waiting for you” – Jota Quest (2014); Videoclipe I´m Allive – Rainforest (2013); DVD Seu Jorge “Músicas para Churrasco” (2013); DVD Caetano Veloso e Maria Gadú – Multishow ao Vivo (2011); DVD Caetano Zii e Zie – Ao Vivo (2011); DVD Musical Lisbela e o Prisioneiro (2004); CD Caetano Veloso Zii e Zie – Ao Vivo (2011); CD O Bem Amado – Trilha Sonora (2010); CD Ó Pai Ó- Trilha Sonora (2007); CD O Coronel e o Lobisomem – Trilha Sonora (2005); Cd Meu Tio Matou um Cara – Trilha Sonora (2004); CD Lisbela e o Prisioneiro – Trilha Sonora (2003); DVD Noites do Norte (2001).  

VideoFilmes 

Criada pelos irmãos Walter e João Moreira Salles em 1986, a VideoFilmes é uma produtora independente com 30 anos de trajetória no mercado audiovisual, considerada referência pelo valor artístico de seus trabalhos. A produtora já realizou mais de 100 projetos de filmes de ficção, documentários, séries, programas para Tv, coproduções nacionais e internacionais. Dentre suas produções estão os filmes de ficção: Central do Brasil e Linha de Passe, de Walter Salles; Santiago e No Intenso Agora de João Moreira Salles; filmes de renomados diretores como Karim Ainouz, Sérgio Machado e Eryk Rocha.  

VideoFilmes também produziu os sete últimos documentários do grande mestre Eduardo Coutinho, entre eles Edifício Master, Jogo de Cena e Últimas Conversas, bem como jovens documentaristas como Renato Terra e Ricardo Calil, com Uma Noite 67. Também coproduziu documentários do grande mestre do Cinema Novo, Nelson Pereira dos Santos, como Raízes do Brasil e Casa Grande e Senzala.  Atualmente, está produzindo o novo documentário de Karim Ainouz, Argelino por Acaso.   

Suas produções são distribuídas em diversos países. A trajetória da VideoFilmes é marcada pela conquista de mais de 400 prêmios nacionais e internacionais, entre eles o Globo de Ouro, BAFTA, Urso de Ouro e Urso de Prata no Festival de Berlim e Palma de Ouro em Cannes, e conta ainda com 6 indicações ao Oscar® por suas produções e coproduções. 

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo