“Foi o pior momento da minha vida”, diz Sam Smith após desafinar no Oscar

Não foi só Adele que viveu momentos difíceis em uma grande premiação. Após a premiação do Oscar, na noite deste domingo (28) o cantor Sam Smith admitiu à rede britânica BBC que sua performance cantando fora do tom em “Writing’s On the Wall” durante a cerimônia foi embaraçosa.

por

img-714162-sam-smith20160301081456831759
Não foi só Adele que viveu momentos difíceis em uma grande premiação. Após a premiação do Oscar, na noite deste domingo (28) o cantor Sam Smith admitiu à rede britânica BBC que sua performance cantando fora do tom em “Writing’s On the Wall” durante a cerimônia foi embaraçosa.

“Foi o pior momento da minha vida”, disse Smith, que, durante o Oscar, chegou a postar no Twitter que jamais havia tido uma experiência de tamanho nervosismo. “Meu canto foi horrível. Eu odiei cada minuto.”

Diferentemente de Adele no Grammy, que reclamou de um problema técnico no retorno do som do piano, o cantor não teve ninguém a culpar a não ser ele mesmo. “Eu estava nervoso. Essa é a verdade.”

Apesar das dificuldades, Sam teve bons motivos para sorrir. Ele recebeu seu primeiro Oscar da carreira por “Writing’s On the Wall”, composta em parceria com Jimmy Napes, na categoria de melhor canção original.

Tudo bem, certo? Não. Assim que recebeu a estatueta, ele cometeu outra gafe ao dizer que era o primeiro cantor abertamente a gay a ser laureado pela Academia, se esquecendo de Elton John, que faturou em 1995 pelo tema do filme “Rei Leão”.

“Recebi uma carta de Ian McKellen, dizendo que nenhum homem abertamente gay já ganhou um Oscar. Se este for o caso, mesmo que não seja, eu gostaria de dedicar este prêmio à comunidade LGBT”, disse Sam Smith ao receber o prêmio.

Você também vai curtir