Televisão

Funkeiras estrelam reality e prometem “barraco, confusão e gritaria”

Funkeiras estrelam reality e prometem "barraco, confusão e gritaria"

Cinco funkeiras estrelam o reality show “Lucky Ladies”, da Fox Life

Cinco funkeiras em busca do sucesso convivendo em uma luxuosa cobertura em Copacabana, no Rio de Janeiro. É assim “Lucky Ladies”, reality show da Fox Life, que estreia na próxima segunda-feira (25), às 22h30, e que traz como participantes MC Sabrina, Mary Silvestre, MC Carol, Karol K e Mulher Filé.

Com a funkeira Tati Quebra Barraco e o produtor musical Rafael Ramos como mentores, as cinco cantoras – selecionadas entre cinco mil – conviveram por dois meses com o objetivo de trabalharem juntas e subirem no palco ao mesmo tempo, ao lado de Tati.

As cinco acreditam que o reality show, o primeiro nacional produzido pela Fox Life, irá ajudar a quebrar preconceitos contra o funk.

“A pessoa preconceituosa vai ver aquelas pessoas esquisitas e vai pensar ‘que m**** é essa?’ Mas aí ela vai ver que cada um lá é uma pessoa. A gente veio do nada, hoje estamos bem, e estamos mostrando os seres humanos que somos, não só o funk”, avaliou Mulher Filé. A cantora, que já participou da sexta edição de “A Fazenda”, acredita que o próprio reality já mostra que o preconceito está menor: “Há um tempo, não existiria esse programa”.

Rejeitando o rótulo de “diva”, Tati acha que o reality terá bons frutos. “Não quero ser diva, quero ser a Tati que sempre fui. Mas acho que o programa com certeza vai abrir portas”.

Convivência

Foi difícil manter a harmonia em todos os momentos com cinco mulheres de personalidades fortes confinadas em um apartamento.

“Vocês vão ver muito barraco, confusão e gritaria, mas no fundo tudo dá certo”, contou Mary Silvestre, que antes de investir na carreira de funkeira foi modelo e trabalhou no “Caldeirão do Huck”.

MC Carol, famosa pelo hit “Minha Avó Tá Maluca”, concordou: “É difícil viver com meu marido, imagina com cinco mulheres. Foi difícil, principalmente com certas pessoas que pareciam não querer estar lá”.

Karol Ka, que passou pelos gêneros pop e gospel antes de entrar no funk, contou que foi desafiador lidar com as colegas. “O maior desafio foi entender as mentes das meninas e pensar como eu iria reagir a elas. Pude entender o que elas passaram”.

“Acho que cada uma abaixou seu ego”, complementou Filé. “Era difícil ouvir uma crítica, engolir aquilo e ter que aceitar. Mas todo mundo entrou no clima de ‘vamos fazer dar certo'”.

Como mentora, Tati esperava ter mais trabalho para controlar os ânimos na casa. “Sempre mandei o papo reto. Tive que dar uns puxões de orelhas em algumas, mas coisa rápida. Mas foi tranquilo, achei que ia ser bem pior”.

Publicidade

Você vai curtir!

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios