Televisão

Escritor uruguaio Eduardo Galeano morre aos 74 anos

000_mvd6678101

O escritor uruguaio Eduardo Galeano, autor do emblemático livro “As Veias Abertas da América Latina” que serviu de guia para a esquerda da região, morreu nesta segunda-feira em Montevidéu aos 74 anos após lutar contra uma longa doença.

Motivador do revisionismo histórico e de um desenvolvimento autônomo do subcontinente, o intelectual sofria há vários anos de câncer no pulmão, motivo pelo qual foi submetido a uma cirurgia em 2007.

Uma porta-voz da editora Siglo XXI, em Buenos Aires, confirmou à Reuters a morte do escritor e jornalista.

“O mundo perde um dos personagens mais importantes, o mundo perde um professor da descolonização e a libertação de nossos povos”, disse durante entrevista coletiva o presidente da Bolívia, Evo Morales, com quem Galeano havia se encontrado no mês passado.

Pelo Twitter, os governos de Equador e Argentina também reagiram à notícia que deu a volta ao mundo.

A presidente Dilma Rousseff disse em comunicado que “é uma grande perda para todos que lutamos por uma América Latina mais inclusiva, justa e solidária com os nossos povos”.

“Aos uruguaios, aos amigos e à nossa imensa família latino-americana, quero prestar minhas homenagens e lembrar que continuamos caminhando com os olhos no horizonte, na nossa utopia”, acrescentou.

O autor, nascido em Montevidéu em 1940, deixou uma profunda marca em historiadores, escritores e militantes políticos do continente, onde seus livros estiveram proibidos durante anos pelas sangrentas ditaduras que governaram o Cone Sul nas décadas de 1970 e 1980.

Nestes anos, durante seu exílio em Buenos Aires, fundou a revista Crisis, lendária para a esquerda latino-americana e os teóricos da comunicação.

“Procuro uma linguagem informal que permita pensar, sentir e se divertir, não habitual nos discursos da esquerda”, disse ao jornal El País em 2012.

O escritor foi forçado a deixar a Argentina quando a ditadura chegou ao poder naquele país em 1976 e morou na Espanha até voltar ao Uruguai em 1985 com o retorno da democracia.

Durante uma cúpula presidencial em 2009, o falecido presidente venezuelano Hugo Chávez presenteou ao seu colega norte-americano, Barack Obama, uma cópia de “As Veias Abertas da América Latina”, livro escrito em 1971 no qual denuncia o saque ao qual a região foi submetida desde o descobrimento da América.

“Por uma lado se perde o Eduardo Galeano literato, mas sinto que perco o amigo com quem compartilhei experiências, um homem muito sensível”, afirmou à televisão uruguaia o compositor Daniel Viglietti.

Galeano também escreveu a série “Memória do Fogo”, com a qual tentou contar o desenvolvimento da América Latina por meio de lendas indígenas e detalhes esquecidos pela história oficial, “O Livro dos Abraços” e “De Pernas Pro Ar”.

Torcedor de futebol, decidou a esse esporte “Futebol ao Sol e à Sombra”, com o qual traçou um panorama sobre a paixão, o espetáculo e o negócio que gera disciplina por meio de pequenas históricas.

Os uruguaios poderão se despedir de um dos seus escritores mais reconhecidos na tarde de terça-feira no imponente Salão dos Passos Perdidos, lugar normalmente usado para funerais de Estado no Congresso Nacional, afirmou o Ministério da Cultura em sua página na Internet.

“Seu trabalho é uma mistura de detalhes meticulosos, convicção política, dom poético e boas histórias contadas”, escreveu a escritora chilena Isabel Allende, amiga de Galeano, no prefácio de uma edição recente do livro.

Publicidade

Você vai curtir!

Você vai curtir!
Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios