TOPO

Entenda a carreira de James Taylor através de cinco de suas canções

por Marta Lima / Publicado em sexta-feira, 24 mar 2017 11:30 AM / / 92 views

James Taylor

A partir da semana que vem Elton John e e James Taylor começam uma turnê que os levará a quatro cidades brasileiras. O giro começará em Curitiba (Pedreira Paulo Leminski, dia 31 de março ingressos aqui) e depois segue para o Rio de Janeiro (1° de abril na Praça da Apoteose, ingressos aqui), Porto Alegre (4 de abril no Beira-Rio, ingressos aqui) e termina em São Paulo no Allianz Park (dia 6 de abril, ingressos aqui).

Semana passada falamos um pouco da carreira de Elton e relembramos algumas de suas músicas mais importantes (leia aqui).

Hoje lembramos a também vitoriosa carreira de Taylor, que já tem quase cinquenta anos e é repleta de álbuns e hits inesquecíveis.

Grande nome da leva de cantores e compositores surgidos no início da década de 70, James Taylor acabou se tornando uma espécie de “garoto propaganda” daquela geração, especialmente depois que a Time o escolheu para a sua reportagem de capa sobre a nova geração de roqueiros confessionais que despontavam no cenário. “O novo rock: agridoce e baixo”, dizia a chamada, ajudando a popularizar o termo “Bittersweet Rock”.

Abaixo lembramos cinco canções fundamentais gravadas pelo cantor, compositor e violonista, que ajudam a dar um panorama em toda a sua carreira.

Something In the Way She Moves” – 1968
James Taylor teve a sua grande chance quando Peter Asher ouviu as suas músicas e ficou impressionado. Peter era irmão da ex-namorada de Paul McCartney Jane Asher, o que lhe garantiu acesso ao círculo íntimo dos Beatles (tendo até como membro da dupla Peter & Gordon gravado músicas inéditas de Lennon & McCartney.

James Taylor

Em 1968 Asher era o responsável por contratar artistas para o recém-criado Apple, a gravadora dos Beatles.

Foi por ali que ele lançou seu disco de estreia, que não fez o sucesso esperado não só pelo clima cada vez mais caótico da gravadora, mas também por problemas pessoais de Taylor, que não pôde divulgar o trabalho por ter precisado se internar em uma clínica de reabilitação.

O álbum ainda assim teria o seu lugar na história, primeiro por “Carolina In My Mind“, que se tornaria uma de suas músicas mais queridas e por “Something In the Way She Moves“, que além de brilhante por si própria, inspirou George Harrison a escrever “Something“, que, não por acaso, começa com o título da canção de Taylor.

A versão abaixo foi gravada em 2007 no icônico Troubador em Los Angeles, um dos clubes mais importantes da história do rock – foi lá, por exemplo, que em 1970, que Elton John fez o show que lhe abriu as portas do mercado americano.

Fire And Rain” – 1970

James Taylor
Sweet Baby James

A vida de Taylor mudaria mesmo em 1970, com o lançamento de “Sweet Baby James“, o álbum que marca o início de uma época em que a parada americana se viu tomada por uma série de cantores e compositores confessionais – Neil Young, Joni Mitchell, Carole King, Carly Simon e também o britânico Elton John despontaram nessa época.

Indicado ao Grammy de álbum do ano (assim como o álbum homônimo de Elton John – o vencedor foi “Bridge Over Troubled Water” de Simon and Garfunkel), “Sweet Baby James” é daqueles discos que ajudam a definir uma era.

Dali também saiu a música mais famosa e icônica escrita por ele, “Fire And Rain“, onde ele relembra o sofrimento da fase em que teve que lidar com o seu vício.

Das quatro canções que ele emplacou na parada de singles da Billboard, essa foi a única escrita por ele – as demais foram covers.

You’ve Got a Friend” – 1971
O maior hit de “Mud Slide Slim and the Blue Horizon” e único número 1 dele na parada americana é uma composição de Carole King. A música também foi gravada quase que simultaneamente por sua autora com muitos dos músicos que aparecem na versão de Taylor (a música na voz dela está no igualmente bem sucedido “Tapestry”).

No Brasil, a canção também ganhou um enorme significado depois de ter se tornado, ao lado de “Love Of My Life” do Queen o maior hino do primeiro Rock In Rio em 1985. A emoção deverá se repetir nos shows que rolam por aqui a partir da semana que vem.

Only a Dream In Rio” – 1985
A primeira vinda de Taylor ao país foi conturbada. No meio dos anos 80 o cantor estava desiludido com a sua carreira e Roberto Medina penou para convencê-lo a cantar no primeiro Rock In Rio.

James Taylor

Ele veio, mas demorou a relaxar (quem viu a transmissão da televisão na época deve se lembrar dele proibindo o acesso de jornalistas, câmeras e outros artistas na área de backstage). Até que ele subiu ao palco e recebeu uma das maiores ovações que se tem notícia por aqui.

O sucesso foi tanto que em sua segunda apresentação (nessa edição os artistas faziam dois concertos) ele foi elevado a categoria de headliner e selou-se o caso de amor eterno entre o músico e o Brasil.

O show renovou sua inspiração e foi responsável direto pelo seu retorno ao estúdio, depois de quatro anos.

Only a Dream In Rio“, a faixa central de “That’s Why I’m Here” é a sua declaração ao Brasil e o Rio de Janeiro, tendo ganhado alguns versos em português. Nessa versão abaixo a música é tocada com a ajuda de Milton Nascimento e do percussionista Naná Vasconcelos (morto no ano passado).

Today Today Today” – 2015

James Taylor

Atualmente James Taylor trabalha cada vez mais no seu ritmo. De forma que shows, e discos, são cada vez mais raros. Daí a importância de vêi-lo agora no Brasil, já que um retorno deverá demorar.

“Before This World” de 2015 foi seu primeiro trabalho de músicas inéditas em 13 anos e mostrou que seu talento de compositor e instrumentista, e também a sua voz seguiam intactos. O disco estreou no topo da parada americana e foi o seu primeiro número 1 no top 200 da Billboard.

Ele agora é a segunda pessoa que mais tempo precisou esperar para alcançar a tão sonhada posição. Foram 47 anos se contarmos o disco de estreia. Apenas Tony Bennett, que levou 54 anos para chegar lá teve que esperar tanto.

A bela “Today Today Today” foi escolhida como carro-chefe do trabalho.

Fonte: Vagalume

|

Comentários no Facebook