Globo programa minissérie catástrofe com Paulo Vilhena para 2º semestre

Eis Paulo Vilhena em cena da minissérie “13 Dias Longe do Sol”, escrita por Elena Soárez e Luciano Moura, que irá ao ar em 10 episódios na Globo no segundo semestre.

por


Eis Paulo Vilhena em cena da minissérie “13 Dias Longe do Sol”, escrita por Elena Soárez e Luciano Moura, que irá ao ar em 10 episódios na Globo no segundo semestre.

Ele faz o herdeiro “bon vivant” de uma construtora, nesta nova produção da Globo que explora o gênero “catástrofe”. A série, segundo a emissora, é inspirada em acidentes nacionais, principalmente o Palace II e o Edifício Liberdade, ambos do Rio. O roteiro é o seguinte: o engenheiro Saulo Garcez (Selton Melo) está prestes a entregar um centro médico de última geração. Mas com o objetivo de tornar-se sócio majoritário da construtora Baretti, onde trabalha há muitos anos, faz perigosas economias.

Depois de adulterar os cálculos estruturais do projeto, emprega mão de obra barata e usa materiais em quantidade e qualidade inferiores ao recomendável. Os resultados dessas escolhas são trágicos. No dia em que Marion Rupp (Carolina Dieckmann), a grande paixão de Saulo, vai vistoriar a obra para entender as razões do seu atraso, o prédio desaba. Saulo, Marion e mais sete operários conseguem sobreviver nos escombros, presos e incomunicáveis no que restou das garagens subterrâneas.

Depois que o prédio cai, dois mundos se estabelecem. Debaixo da terra, diferenças, ressentimentos e suspeitas terão que ser superadas para que os sobreviventes lutem por suas vidas. E aqueles homens e aquela mulher, de diferentes idades e classes sociais, viram um só corpo, com uma só vontade: voltar a ver a luz do sol. Lá em cima, a guerra se instala. Na busca por culpados, cada qual só pensa em como livrar a própria pele. Gilda (Debora Bloch), diretora financeira da Baretti e parceira de Saulo no plano de economizar dinheiro para tornarem-se sócios da construtora, faz de tudo para livrar-se das consequências legais do desabamento. Vitor Baretti (Paulo Vilhena), o herdeiro bon vivant da construtora, se vê no olho de um furacão do qual fugiu a vida inteira.

Por outro lado, o major Marco Antônio (Fabrício Boliveira), do corpo de bombeiros, é um tipo disposto a dar sua própria vida para resgatar os soterrados. Serão 13 dias longe do sol, daí o título, para os soterrados.

 

Você também vai curtir