Atores de Powers Rangers gritam é “Hora de Morfar” e homenageiam a Chape

É praticamente impossível encontrar no Brasil algum marmanjo entre os 25 e 35 anos que não tenha se divertido com a série de TV "Power Rangers", exibida na TV aberta na década de 90. E os atores Dacre Montgomery, RJ Cyler, Ludi Lin e Naomi Scott, que interpretam os rangers vermelho, azul, preto e rosa no novo filme do grupo, que será lançado em 23 de março, sabem disso. Os quatro estão no Brasil para falar sobre o filme na CCXP (Comic Con Experience).

por

power-ranger
É praticamente impossível encontrar no Brasil algum marmanjo entre os 25 e 35 anos que não tenha se divertido com a série de TV “Power Rangers”, exibida na TV aberta na década de 90. E os atores Dacre Montgomery, RJ Cyler, Ludi Lin e Naomi Scott, que interpretam os rangers vermelho, azul, preto e rosa no novo filme do grupo, que será lançado em 23 de março, sabem disso. Os quatro estão no Brasil para falar sobre o filme na CCXP (Comic Con Experience).
Durante o painel, realizado no auditório Cinemark, os atores fizeram os fãs vibrarem ao iniciarem a conversa dizendo em português: “É Hora de Morfar”, que é o grito de guerra dos rangers antes de se transformarem nos heróis.

“É muita responsabilidade interpretar esses personagens, especialmente no Brasil, onde a série original é muito amada”, disse Ludi Lin, o ranger preto. “Eu voltava do colégio correndo para ver os Power Rangers, que passava antes de Pokémon”, completou Lin, que é chinês.

RJ Cyler também foi uma dessas crianças que cresceu com os Rangers. “Coitada da minha mãe. Eu quebrava tudo em casa imitando os personagens”, disse. O único que não assistiu na infância foi Dacre Montgomery, o Ranger Vermelho. “Eu sou da Austrália e não fui um garoto de ver TV até os 11 anos. Além disso, a série não era muito famosa no meu país.”

Fãs ou não fãs de Power Rangers, os quatro atores destacaram que a interpretação deles para os rangers será diferente do original. “O mais importante do filme é mostrar a nossa amizade e como nós somos mais fortes juntos do que individualmente”, explicou Lin.

Um dos atores mais empolgados com o filme era, sem dúvida, RJ Cyler, o ranger azul. “Vou fazer a minha versão do ranger azul. Quando o trailer saiu, eu fiquei acompanhando a quantidade de visualizações. Quando bateu 1 milhão de views eu dei um grito e mandei mensagens para todos”, disse. Cyler era um dos mais animados do painel e era ovacionado pelos fãs a cada intervenção. “A plateia está toda azul!”, gritou o ator, em português.

Naomi Scott contou que fez teste para interpretar a ranger amarela, mas acabou escolhida para ser a rosa. “No filme, dá para perceber que há uma amizade grande entre os meninos. Mas a ranger rosa e a amarela desenvolvem uma amizade do tipo girl-power. Se não fosse pelos rangers, essa amizade delas seria improvável”, destacou.
O ator David Yost, que interpretou o primeiro power ranger azul revelou nos últimos anos que é homossexual. O atual ranger azul disse que a sexualidade não define uma pessoa nem um herói. “Vivemos num mundo cheio de diversidade. Não devemos rotular. Somos humanos e iguais. Temos 99% de genes idênticos”, afirmou.

Força Chape
Antes do painel, Lin foi para a entrevista coletiva com a imprensa usando dois cachecóis. Um do Brasil e outro de um tipo chinês. No final da entrevista, ele contou que gosta muito de futebol e que queria fazer uma homenagem ao time Chapecoense, por conta da tragédia aérea.

“Sei como vocês gostam muito de futebol. Quando cheguei aqui, eu ganhei esse cachecol do Brasil e quis retribuir homenageando a Chapecoense com o cachecol do meu time chinês, de Pequim”, disse o ator, antes de tirar o adereço e entregar para uma assessora brasileira.

“Queremos que as pessoas parem de pensar em anos e sim no tempo vivido. Os anos que vocês passaram assistindo aos Powers Rangers não foram bons? Vocês não curtiram? É isso que importa. Vamos parar de falar quantos anos temos e lembrarmos de como foi boa a nossa infância”, finalizou Lin.

Você também vai curtir