Precursor de Bob Esponja e Nemo, “Glub Glub” completa 25 anos

Há 25 anos, um programa da TV Cultura no "fundo do mar" encantou as crianças muito antes de "Bob Esponja", "Procurando Nemo" e outras produções infantis marinhas com "Glub Glub", que completa 25 anos de sua estreia nesta sexta-feira (9). Os peixes da atração, Gisela Arantes e Carlos Mariano, ainda são reconhecidos pelo trabalho, que ficou oito anos no ar.

por

Há 25 anos, um programa da TV Cultura no “fundo do mar” encantou as crianças muito antes de “Bob Esponja”, “Procurando Nemo” e outras produções infantis marinhas com “Glub Glub”, que completa 25 anos de sua estreia nesta sexta-feira (9). Os peixes da atração, Gisela Arantes e Carlos Mariano, ainda são reconhecidos pelo trabalho, que ficou oito anos no ar.

“Até hoje as pessoas têm um carinho tão grande. Ouço muito que o programa foi referência ou, entre quem tem mais idade, que os filhos cresceram e eu fiz parte da educação deles. Dá muita satisfação ouvir isso. Era um programa do bem, só trazendo valores positivos. A relação entre os peixinhos, as brigas e rixas normais entre irmãos e amigos, um cutucava o outro mas tinha muito amor e amizade entre eles”, afirma Gisela Arantes.

Montagem/Popzone

Precursor de Bob Esponja e Nemo, "Glub Glub" completa 25 anos
Carlos Mariano e Gisela Arantes atualmente

“Se estou em um lugar público, conversando com pessoas ou gravando novela, as pessoas me reconhecem o tempo todo. É impressionante e cada vez mais, porque aquela criançada hoje são adultos, e a memória da criança é absurda, te olha e imediatamente lembra. É assustadoramente prazeroso”, diz Carlos Mariano, impressionado.

“Glub Glub” teria 60 episódios, mas terminou em 1999 com mais de 600. Em 2006, a TV Rá-Tim-Bum resgatou o programa com edições inéditas. Atualmente, os dois atores mantêm um pouco de “Glub Glub” em seus trabalhos. Gisela Arantes tem uma produtora e toca projetos ligados a água e sustentabilidade. Já Carlos Mariano grava “Carinha de Anjo”, próxima novela infantil do SBT.

Atores viravam peixes e confundiam crianças

Em “Glub Glub”, Gisela e Carlos apresentavam animações pouco conhecidas de Alemanha, Inglaterra, antiga Tchecoslováquia e até do Brasil. No início, os peixes apenas apresentavam os desenhos, porém com o sucesso ganharam espaço, histórias próprias e personagens como a carangueja Carol, interpretada por Andrea Pozzi (1968-2005).

 

Precursor de Bob Esponja e Nemo, "Glub Glub" completa 25 anos
Gisela Arantes, Carlos Mariano e Andrea Pozzi nos bastidores de “Glub Glub”

Para se transformarem em “glubs”, os atores vestiam uma roupa verde para sumir no chroma key, que inseria o fundo do mar na tela, e colocavam na cabeça um capacete pesado em formato de peixe. Muitas crianças acreditavam que o programa se passava no fundo do mar.

“Já tive casos de chegar no interior, a criança assistia e alguém falava: ‘Ela é a Glub’. Isso causava uma estranheza total, porque ‘como você está aqui e na TV?’, ‘como você é um peixe e é gente?’. Entre crianças rolava direto essa confusão mental”, relembra Gisela.

“Era complicado interpretar com aquela cabeça que tirava um pouco a audição. É pesado, dói. Era complexo, não era muito fácil, tinha que ter muita vontade para fazer”, ressalta Mariano.

“Glub Glub” quase teve Netuno e peixes de verdade

“Glub Glub” estreou na era de ouro dos programas infantis da Cultura, como “Mundo da Lua” e “X-Tudo”. Foi em “Rá-Tim-Bum” (1990) que Carlos Mariano apareceu como peixe pela primeira vez, em uma prévia da atração que estrearia quase dois anos depois.

Jair Bertolucci/TV Cultura

Precursor de Bob Esponja e Nemo, "Glub Glub" completa 25 anos
Gisela Arantes e Carlos Mariano gravam “Glub Glub”, da TV Cultura, em 1993

O projeto inicial do “Glub Glub” tinha atores consagrados, como Marco Ricca, Elias Andreatto e Ariel Moshe. Sérgio Mamberti, que anos depois se consagraria como Dr. Victor de “Castelo Rá-Tim-Bum”, seria Netuno, Deus dos Mares na mitologia romana. O programa, entretanto, foi suspenso e remodelado com apenas dois peixes.

“Era muita produção e, para gravar um programa, levava mais de um dia. Seria um trabalho insano. Resolveram parar tudo, dispensaram todo mundo e só eu fui mantido no elenco. Mais para frente abriram teste para a peixinha, quando a Gisela entrou”, recorda Mariano.

Além dos atores, os primeiros programas também tiveram a participação de peixes de verdade, ideia que foi descartada nas edições seguintes porque os animais corriam risco de vida, segundo Gisela.

“Tinha um aquário com peixinhos de verdade, eles passavam e interagiam com o cenário virtual. Só que o calor do estúdio era muito cruel para eles. Nós, seres humanos, aguentávamos, mas os coitadinhos, que têm uma vida mais frágil, sofriam bastante. Abolimos os peixinhos porque era prejudicial a eles”, conta a atriz.

Abertura “artesanal” virou clássico

“Glub Glub” também ficou marcado pela abertura, com desenho de Flávio Del Carlo (1956-2013) e música de Hélio Ziskind, responsável por outros temas infantis famosos da Cultura, como “X-Tudo” e “Castelo Rá-Tim-Bum”. Segundo ele, a criação foi “artesanal”.

“Propus brincar com a ideia de que a única coisa cantada seria a palavra ‘glub’. Eu e a Ná Ozetti cantamos e o meu filho, Fernando, na época com quatro anos, fez o grito ‘Glub Glub’. Tecnicamente falando, não tinha sincronia nem computador. Era feito com VHS sincronizado na mão, então o artesanato foi grande também. A abertura abriu muitas portas, a música ficou muito marcada. foi um ponto de virada em termos de sonoridade, composição. Deu muito certo”, comemora.

Você também vai curtir