Filme sobre ataque a bomba na França estreou um dia antes de horror em Nice

DivulgaçãoPôster de "Bastille Day", com Idris Elba Uma triste coincidência na indústria do entretenimento. O filme "Bastille Day" ("Dia da Bastilha", em tradução livre) estreou na França um dia antes do massacre em Nice, quando um homem atropelou uma multidão e matou 84 pessoas durante o mais importante feriado do país. Protagonizado por Idris Elba, o filme de ação conta a história de um agente da CIA que vai até Paris investigar um ataque a bomba que matou quatro pessoas.

por
  • Divulgação
    Filme sobre ataque a bomba na França estreou um dia antes de horror em Nice
    Pôster de “Bastille Day”, com Idris Elba

    Uma triste coincidência na indústria do entretenimento. O filme “Bastille Day” (“Dia da Bastilha”, em tradução livre) estreou na França um dia antes do massacre em Nice, quando um homem atropelou uma multidão e matou 84 pessoas durante o mais importante feriado do país. Protagonizado por Idris Elba, o filme de ação conta a história de um agente da CIA que vai até Paris investigar um ataque a bomba que matou quatro pessoas.

“Bastille Day” chegou a 233 salas de cinema na França apenas um dia antes da tragédia real em Nice. O lançamento do filme já havia sido adiado anteriormente por causa dos ataques de Paris em novembro de 2015. O estúdio responsável pela distribuição já deu aval para que os cinemas não exibam mais o filme e aguarda o final de semana para contabilizar o prejuízo nas bilheterias.

O filme estreou primeiro no Reino Unido, em abril. Ele também já esteve em cartaz em alguns países da Europa e da Ásia, como Singapura, Turquia e Bélgica. Neste momento, o único grande mercado de cinema que ainda exibia o filme nos cinemas além da França era a Itália. O estúdio Focus Features tem os direitos para distribuir o filme nos Estados Unidos, mas ainda não divulgou uma data.

A ação tem previsão de estreia em Portugal para o dia 11 de agosto com o título “Bastille Day: Missão Antiterrorista”. Ainda não se sabe se a data será mantida. O Brasil não deve receber o título.

Você também vai curtir