Franceses chocam Festival de Cannes com canibalismo, sexo e eutanásia

Donos da casa, os franceses estão botando para quebrar na competição do Festival de Cannes. Os dois filmes apresentados até agora trouxeram um coquetel explosivo de cenas e histórias bem fora do comum.

por

cena-de-rester-vertical-de-alain-guiraudie-1462822959600_956x500

Donos da casa, os franceses estão botando para quebrar na competição do Festival de Cannes. Os dois filmes apresentados até agora trouxeram um coquetel explosivo de cenas e histórias bem fora do comum.

“Rester Vertical” (Permanecer na vertical), de Alain Guiraudie, diretor do aclamado “O Estranho do Lago”, trouxe a cena mais polêmica até agora: o protagonista, Leo, um cineasta perdido em algum vilarejo rural na França, decide atender o último pedido de um velho que decide se matar: transar com ele enquanto o veneno faz seu efeito. A cena é explícita. Em outra cena, o sogro do cineasta, um pastor de ovelhas, decide usar o neto bebê como isca para atrair os lobos no meio do campo à noite.

Em “Ma Loute”, comédia de humor negro dirigida por Bruno Dumont (de “O Pequeno Quinquin”), uma família humilde que vive na baía de Slack, no norte da França, vive de transportar os turistas de um lado a outro da baía, de barco ou carregando-os no próprio colo para atravessar um pequeno trecho molhado. Mas a família tem uma pequena mania: matar alguns dos clientes para comê-los vivos.

Numa cena, os três filhos pequenos aparecem mastigando pedaços de carne humana com a boca cheia de sangue, enquanto a mãe oferece mais um enorme pé como acompanhamento –tudo num tom de humor negro. Vizinhos a eles, encontra-se de férias uma família de burgueses patéticos. Uma das tias, vivida por Juliette Binoche, trata a filha adolescente Billie como um menino, e esta se veste ora como homem, ora como mulher. Sem contar dois personagens que alçam voo de repente, sem nenhuma razão aparente.

Mas o choque não é vazio. “Rester Vertical” é um ensaio delirante sobre a fragilidade humana, num tom de sonho absurdo, como se David Lynch tivesse ido parar nas pradarias francesas. E “Ma Loute” é uma bela comédia de humor negro que mistura muito bem atores amadores com estrelas do cinema francês –além de Binoche, Fabrice Luchini e Valeria Bruni-Tedeschi, irmã de Carla Bruni e ex de Louis Garrel. Já é bem mais do que a França apresentou em competição no ano passado.

Você também vai curtir