TOPO

“Out Of Time” do REM completa 25 anos. Relembre o álbum de maior sucesso da banda

por Marta Lima / Publicado em sexta-feira, 11 mar 2016 20:07 PM / / 454 views

R.E.M.
Out of Time

Há exatos 25 anos o sétimo álbum do R.E.M. chegava às lojas. “Out Of Time” foi o segundo disco que o quarteto gravou para a Warner e os transformou em superestrelas.

O motivo para tal estouro reside em seu primeiro single. “Losing My Religion” é um daqueles sucessos difíceis de serem explicados e repetidos. Tanto que a gravadora sequer apostava muito nele – nessa época era comum não “queimar” o grande hit do disco logo de cara, mas sim depois que ele estivesse no mercado já por algum tempo.

“Losing…” saiu alguns doas antes do álbum e começou a tocar de maneira ininterrupta pelas rádios e MTV. Levando-se em conta que estamos falando de uma canção praticamente acústica, onde o mandolin é o principal instrumento, com uma letra cifrada e um clipe no mínimo estranho, é difícil não ficar espantado ainda hoje com o seu incrível sucesso.

Ouça “Losing My Religion

R.E.M.

O compacto fez aumentar as expectativas pelo álbum, que, tudo indicava, seria um dos mais fortes e bem sucedidos da banda. Quanto ao desempenho comercial realmente não se pode negar. Cerca de 18 milhões de cópias dele foram vendidas em todo o mundo, fazendo da banda do estado da Geórgia que durante anos foi a queridinha dos críticos e rádios de faculdade em improváveis popstars.

“Out of Time” é um disco um tanto esquizofrênico que em vários momentos se afasta do pop.

Assim é de se imaginar o que um desavisado que comprou o álbum por causa de “Losing My Religion” e “Shiny Happy People” – o segundo single, que o grupo imediatamente passou a rejeitar – pensou ao escutar canções como as lúgubres “Low” e “Country Feedback” ou baladas acústicas como “Half A World Away“.

Ouça “Shiny Happy People

Ao mesmo tempo, o disco também não facilitava as coisas para os fãs mais antigos. Quase nada em “Out Of Time” lembra o “R.E.M. das antigas”. Esse curiosamente surge em “”Near Wild Heaven” e “Texarkana” – as únicas faixas autorais da banda a contar com os vocais principais do baixista Mike Mills – e na faixa que encerra o trabalho, a bela “Me In Honey“.

Anton Corbijn
R.E.M.

“Out Of Time” também é lembrado por “Radio Song“. A faixa de abertura do disco tem a participação especial do rapper KRS-One (do Boogie Down Productions) nessa que é provavelmente a primeira união de um rapper com uma banda de rock em um contexto “não pesado” – ou seja, diferente de encontros como o do Public Enemy com o Anthrax.

O álbum também serviu para mostrar ao público que era possível se chegar ao grande sucesso sem precisar se sacrificar nesse processo. Pouco antes de seu lançamento, o grupo avisou a gravadora que desta vez eles estavam decididos a não sair em turnê para divulgar o trabalho.

Surpreendentemente eles mantiveram-se inflexíveis mesmo depois que as vendas dele dispararam – o que significa que eles deliberadamente optaram por não ganhar algumas dezenas de milhões de dólares e vender mais alguns milhões de discos.

Ouça “Radio Song



Ouça “Out Of Time” e outros discos do R.E.M. aqui no Popzone!

Fonte: Popzone

|