TOPO

Saga de brasileiro condenado à morte na Indonésia

por Bibi Toledo / Publicado em quinta-feira, 18 fev 2016 11:57 AM / / 410 views
  • DivulgaçãoFestival de Berlim 2016Marcos Prado dirigiu o documentário “Estamira” e a ficção “Paraísos Artificiais”

No final da sessão do documentário “Curumim”, nesta quarta-feira (17) no Festival de Cinema de Berlim, o diretor carioca Marcos Prado recebeu cumprimentos de uma plateia comovida. Até o diretor de um festival indonésio lhe fez um convite: “Queremos muito passar seu filme lá. Pegue o meu cartão”. Prado agradeceu e guardou o papel. “Será que eu vou ter coragem de levar meu filme para a Indonésia?”, perguntou a si mesmo, com um sorriso tenso. Compreensível: “Curumim” certamente não será visto com bons olhos pelas autoridades daquele país.

O documentário conta a história de Marco “Curumim” Archer, brasileiro condenado à morte na Indonésia por tráfico de drogas –ele morreu fuzilado em janeiro de 2015, após um penoso período de 11 anos em um presídio de segurança máxima isolado em uma ilha. O filme é, ao mesmo tempo, a curiosa história pessoal de Curumim e um registro de sua rotina no “corredor da morte”. Por tabela, ataca dois outros temas espinhosos: mostra a corrupção no sistema carcerário e judicial indonésio e faz uma grande crítica à pena capital.

“Sou contra a pena de morte em todos os casos”, disse o cineasta, logo após a aplaudida sessão. “Os crimes hediondos têm de ser punidos com prisão longa ou perpétua. Mas quando se executa uma pessoa, primeiro você dá poder para um Estado de te eliminar da sociedade, colocando pistas falsas etc. Segundo: você pode provar o contrário. Quantos condenados já não conseguiram comprovar sua inocência antes da morte?”

Beawiharta/REUTERS

Festival de Berlim 2016

O brasileiro Marco Archer em cela na Indonésia, após ser condenado

Festival de Berlim 2016

O projeto do longa surgiu quando o próprio Curumim convidou Prado para contar sua história. Os dois já se conheciam desde a juventude, nos anos 1980, quando ambos praticavam surfe e frequentavam os principais points das praias cariocas. Nascido em uma família de classe média alta, Curumim sempre gostou de levar uma vida aventureira. Na adolescência, foi expulso 14 vezes do colégio. Como ele mesmo dizia, sempre foi um “fio desencapado” por ser filho de um alcoólatra e uma mãe ausente. Sua personalidade expansiva e seu senso de humor o tornaram um jovem carismático, que gostava de curtir a vida com amigos, no melhor estilo playboy. Para bancar seus luxos, começou a ganhar dinheiro com pequenos tráficos naquela década. “No Brasil, uma geração inteira comprou skank com ele”, relembra o cineasta.

Curumim foi parar na Indonésia quando tentava conseguir dinheiro para (segundo ele mesmo) pagar dívidas que havia contraído em um hospital em Cingapura, onde ficou internado por meses, após um acidente de paraglide. Aceitou traficar 15kg de cocaína, mas levantou suspeitas no aeroporto de Jacarta. Conseguiu fugir dali e passou dias como foragido, até ser finalmente preso pela polícia indonésia e levado para a prisão, onde seu drama começou.

Trajetória cinematográfica

Uma trajetória tão cinematográfica, é claro, tinha que acabar nas telas. “A ideia original era para ser um filme de ficção. Ele próprio queria isso, sempre dizia: ‘Minha história pode virar um filme incrível!'”, conta Prado. Depois de optar pelo formato documentário, o diretor pretendia dividir a história em três partes: a vida de Curumim antes de ser preso; a rotina no presídio; e o recomeço após ganhar liberdade. “Ia ser uma coisa mais biográfica, mas não consegui nem uma entrevista formal com ele”, diz o diretor, que chegou a ir ao presídio para visitar o amigo, se passando por um pastor evangélico.

A maior parte das imagens em que o condenado aparece encarcerado foram feitas com uma câmera clandestina, comprada no mercado negro da prisão, captadas por um colega de cela italiano (hoje já em liberdade; ele, aliás, estava presente na première do longa). Segundo o italiano, é relativamente fácil conseguir nesse “mercado” regalias diversas, inclusive drogas. O ex-presidiário reconhece que só obteve a própria liberdade à base de muito suborno.

O filme conta com imagens de Curumim na cadeia, depoimentos de quem o conhecia e algumas reconstituições de cenas –uma delas traz uma estilização de como teria sido o fuzilamento. O personagem não é mostrado como um mártir, mas como uma pessoa sem limites e destrambelhada que pagou um preço alto demais pela própria irresponsabilidade. O longa humaniza, mas evita sacralizar o personagem. “Tudo da história dele está ali, ele mesmo fala o que já fez pelas cartas [mostradas no filme]. Não tem como santificar”, diz o cineasta. “Mas se eu consegui humanizar ele ao longo dessa 1 hora e 40 minutos. Já estou satisfeito.”

Prado foi muito elogiado em seu primeiro longa, o documentário “Estamira” (2004), sobre uma catadora de lixo, mas o sucesso passou longe do filme seguinte, a ficção “Paraísos Artificiais” (2012). Ele também é conhecido como produtor de “Tropa de Elite” (2007) –que, aliás, ganhou o Urso de Ouro em Berlim há nove anos. Desta vez, Prado não concorre ao prêmio máximo (“Curumim” está na mostra paralela Panorama), mas o frio na barriga é ainda maior que em 2007. “São emoções diferentes ao vir como produtor e como diretor. Apesar de o cinema ser uma arte coletiva, na direção, se o filme ficou bom, a culpa é sua e de todo mundo. Agora se fica horrível, a culpa é só sua”, diz.

|

Comentários no Facebook