Mulheres são ainda mais prejudicadas no Oscar fora de categorias de atuação

Kevork Djansezian/Getty ImagesA atriz Jane Fonda é uma das fundadoras do Women's Media Center

por
  • Kevork Djansezian/Getty Images

    Oscar 2016A atriz Jane Fonda é uma das fundadoras do Women’s Media Center

Um estudo do grupo Women’s Media Center (WMC), que acompanhou o Oscar por dez anos, concluiu que mulheres representam apenas 19% das indicações fora das categorias de atuação (melhor atriz e melhor atriz coadjuvante). E a culpa por um número tão inexpressivo seria da indústria do cinema, que não contrata muitas mulheres para cargos como de direção, roteiro ou edição, por exemplo.

De acordo com o estudo, mulheres que trabalharam por trás das câmeras receberam 327 indicações ao Oscar entre 2006 e 2015. O número corresponde a menos de 1 em cada 5 indicados no mesmo período. Nas 19 categorias estudadas, os homens foram indicados 1.387 vezes. Em 2016, as mulheres receberam 22% das indicações, uma marca considerada alta se comparada ao observado nos dez anos estudados, O número, porém, ainda é bastante inferior a porcentagem de mulheres na população.

“Há uma clara conexão entre o baixo número de mulheres contratadas pela indústria e a pequena representatividade no Oscar”, explica Julie Burton, presidente do instituto. “Se elas não forem contratadas para os cargos de bastidores do filme, não tem como serem reconhecidas”, conclui.

O estudo também apontou que se mais mulheres trabalhassem na indústria, os concorrentes ao Oscar refletiriam melhor a realidade do público, do qual mais da metade é feminino.

“Mulheres no cinema, especialmente as negras, continuam a enfrentar os obstáculos da discriminação. Hollywood ainda é um clube do Bolinha”, opinou Jane Fonda. A veterana atriz é uma das fundoras do WMC, grupo que conduziu a pesquisa.

Em 88 anos da história do Oscar, mulheres nunca foram indicadas na categoria fotografia. Elas estão mais representadas em áreas como figurino, desenho de produção, curta-metragem e documentários.

De 2006 a 2015, mulheres foram 24% dos indicados para melhor filme e 13% para roteiro original e roteiro adaptado. Neste ano, mulheres ganharam quatro indicações de melhor roteiro, o maior número desde 2007.

Debate em alta

Há cerca de um mês, a Academia anunciou mudanças significativas em suas regras para que possa dobrar o número de mulheres e minorias entre os votantes do Oscar até 2020. A ação veio depois do manifesto de vários artistas contra o baixo número de negros indicados nos últimos anos.

Os diretores Spike Lee e Michael Moore e o casal de atores Jada e Will Smith são apenas alguns nomes que já anunciaram boicote à cerimônia do Oscar neste ano.

Entretante, há um consenso de que o problema maior está na indústria do cinema, e não na Academia. A presidente Cheryl Boone Isaacs chegou a declarar que a Academia tomaria frente ao problema em vez de esperar a indústria agir ao anunciar mudanças.

Você também vai curtir