“Pearl”, o último disco de Janis Joplin era lançado há 45 anos. Relembre este clássico do rock!

por

Janis Joplin
Pearl

Há exatos 45 anos, em 11 de janeiro de 1971, as lojas dos EUA recebiam “Pearl“, o último disco de estúdio de Janis Joplin. Lançado de forma póstuma, a cantora morreu em 4 de outubro de 1970 aos 27 anos, o disco ficou nove semanas no topo da parada americana e vendeu 4 milhões de cópias, o que faz dele o trabalho mais vendido da cantora.

Pearl” é provavelmente o melhor álbum lançado por ela – ainda que “Cheap Thrills” (1968), feito quando ela era integrante do Big Brother and The Holding Company seja igualmente fundamental.

Mas aqui ela parecia ter encontrado um equilíbrio entre a crueza dos discos feitos com a banda que a revelou e o som mais domado de seu primeiro álbum solo, o irregular “I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama!” de 1969.

Janis Joplin

O trabalho foi gravado com sua nova banda de apoio. Não é exagero dizer que a Full Tilt Boogie Band foram os músicos que melhor a acompanharam. Todos eram excelentes instrumentistas e podiam tocar rock, blues, country e soul music com maestria.

Para melhorar ainda mais as coisas, o renomado Paul Rothchild (que já havia trabalhado com os Doors) assumiu a produção do disco, dando ainda mais clareza e riqueza de detalhes ao material escolhido.

Joplin era basicamente uma intérprete. Das dez faixas do disco apenas duas trazem a assinatura da cantora: o rock de abertura “Move Over” e a á capela “Mercedes Benz” – essa composta com Bob Neuwirth e Michael McClure e que acabou se tornando uma das canções símbolo da artista.

O resto do álbum era composto por canções feitas para ela – o caso de “A Woman Left Lonely” (da brilhante dupla Spooner Oldham e Dan Penn) e “Trust Me“, um presente do soul man Bobby Womack – e covers.

Janis Joplin

Na verdade Janis fazia parte daquele grupo de intérpretes que tornavam suas as canções alheias O maior exemplo aqui é obviamente “Me And Bobby Mcgee” composta por Kris Kristoferson e que já havia sido gravada pelo astro da música country Roger Miller.

Mas é impossível dissociar a canção de Joplin, que foi lançada como single e se tornou o segundo número 1 póstumo da história da Billboard, depois de “Sitting On The Dock Of The Bay” de Otis Redding (1968).

Pearl” também tem um momento de grande tristeza, a faixa “Buried Alive In The Blues” que não conta com a sua presença, já que ela morreu antes de gravar a sua parte. Como ela já havia aprovado o instrumental feito pela banda, foi decidido colocar a canção no disco assim mesmo, como uma forma de tributo.

A maior frustração de se escutar o disco é o de perceber que Janis Joplin estava cantando cada vez melhor e mostrava um excelente gosto na hora de escolher o seu material. É de supor que ela ainda faria outros trabalhos igualmente ótimos, mas, infelizmente, não era para ser. Ao menos, temos o alento de podemos seguir admirando as poucas gravações que ela nos deixou.

Ouça “Pearl” na íntegra:

Você também vai curtir