TOPO

Mineiro, Lima Duarte grava mensagem e revela amor que sente por São Paulo

por Redação / Publicado em quinta-feira, 14 jan 2016 10:26 AM / / 257 views
  • Reinaldo Canato/Popzone

    Mineiro, Lima Duarte grava mensagem e revela amor que sente por São PauloLima Duarte revela amor que sente por São Paulo

O ator e veterano Lima Duarte gravou uma mensagem emocionante em homenagem à cidade de São Paulo, que completará o aniversário de 462 anos no próximo dia 25 de janeiro. O vídeo foi exibido na tarde desta quarta-feira (13) pelo telejornal “SPTV”, da Globo.

Embora tenha nascido no interior de Minas, Lima se mudou para São Paulo ainda durante a sua adolescência para trabalhar no bairro na avenida Sumaré, na zona oeste, e relembrou o período duro em que precisava atravessar a cidade, de bonde.

Ele revelou ainda o sentimento de amor e gratidão que sente pela capital paulista e dedicou um poema aos paulistanos, que, “assim como eu, ama essa cidade”.

“Eu morava na Penha e trabalhava na [avenida] Sumaré, atravessava a São Paulo inteirinha só para trabalhar. E no bonde (era bonde ainda!) tinha uma espécie de literatura, e a que mais me emocionou foi a mensagem que estava escrito no banco do bonde: ‘São Paulo, o maior centro industrial da América Latina’, e o que mais me chamou a atenção: ‘tudo nesta vida é passageiro, menos o condutor e o motorneiro’. Isso me inspirou a fazer um pequeno poema visual, que eu dedico a São Paulo e a todos os paulistanos, que, como eu, amo essa cidade. ‘Tudo nesta vida é passageiro, menos o condutor e o motorneiro’. Feliz aniversário, São Paulo!”, finalizou.

Aos 86 anos, seu Lima, como é chamado por colegas nos bastidores da Globo, fez parte do elenco de “I Love Paraisópolis”, o seu último trabalho na TV, em 2014, e interpretou um mafioso italiano.

Em entrevista , Lima Duarte declarou que os velhos amigos do Brás o ajudaram a compôr este personagem. “Eu gosto muito de línguas. O sotaque é o dos meus amigos do Brás, da Mooca, do Belenzinho. Quando cheguei a São Paulo (o ator é mineiro), fui trabalhar no Mercadão. Tenho na cabeça e no coração os gestos e a prosódia dos velhos italianos que construíram São Paulo”, recordou.

|

Comentários no Facebook