TOPO
Sem categoria

Mais antigo do país em atividade, Cinema Olympia tenta renascer pela 5ª vez

por Bibi Toledo / Publicado em quarta-feira, 09 dez 2015 08:25 AM / / 350 views

Cerca de dez pessoas assistiam à projeção em DVD de “O Anjo Azul”, clássico em preto e branco de Josef von Sternberg, na sala de 434 lugares do Cinema Olympia, em Belém do Pará, o mais antigo do país em funcionamento. Na entrada, o vigia travava a porta com o cassetete, para garantir a segurança. O DVD travava algumas vezes, mas o magnetismo de Lola (interpretada por Marlene Dietrich, a protagonista) parecia ultrapassar barreiras de tempo, desgaste cultural e precariedade técnica.

Assim como “O Anjo Azul”, o Cinema Olympia encara uma nova batalha para continuar sua trajetória de resistência e significado. No ano passado, a Fumbel (Fundação Cultural de Belém), ligada à prefeitura, fez uma proposta de restauração ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) que compreendia reformas externa e interna e a compra de som e projetores digitais. Foi aprovada. Em fevereiro deste ano, foi assinada a liberação de uma verba de R$ 166 mil para a contratação de uma empresa (Ramos & Aguirre) que dará início a sua reforma e restauração, mas a crise econômica colocou tudo em compasso de espera.

Firme e forte

Não é fácil derrotar o Cinema Olympia: contornou o final do cinema mudo, a concorrência faraônica, a chegada dos multiplex, o assédio imobiliário. Ali perto, na Avenida Presidente Vargas, o Cine Palácio, outro patrimônio paraense, de 1959, três vezes maior que o Olympia e que já foi seu maior rival, agora abriga uma igreja evangélica.

Reprodução/Facebook Cinema Olympia

Mais antigo do país em atividade, Cinema Olympia tenta renascer pela 5ª vez

24.abril.1912 – Festa no dia da inauguração do Cinema Olympia

O Cinema Olympia –assim como outros 60 com o mesmo nome que existiram no país– inspirou-se nas salas francesas. O espectador entra no recinto por baixo da tela, ao lado da orquestra que tocava até os anos 1930. A sala de espera era ornamentada com mármore de Carrara e lustres de cristal. Mas sua face hoje é bem diferente do que era em 24 de abril de 1912, quando foi inaugurado.

O local formava um conjunto de edificações glamourosas no centro de Belém, ao lado do Teatro da Paz, e foi construído como joia de um corredor cultural –para deleite dos hóspedes do Grande Hotel, o único desses prédios que foi demolido. Era costume do público lanchar no teatro do Grande Hotel após as sessões de cinema. Era uma das raras ocasiões em que as cortesãs da época, chamadas de “polacas” se misturavam aos frequentadores.

A primeira mudança foi a troca do neoclássico da belle époque pelo art déco, nos anos 1940 –na década anterior, o filme mudo tinha saído de cena e a sala ganhara o sistema movietone, com o som gravado na película. Nos anos 1950, comprado pelo grupo Severiano Ribeiro, a sala ganhou tela panorâmica e cinemascope.

E nos anos 1960, nova reforma: trocaram as poltronas da sala, as tapeçarias e instalou-se ar-condicionado. Esquecido nos anos 1970 e 1980, o Olympia fechou por um período no ano 2000 e virou alvo de lojas de departamentos, que queriam o prédio para expandir seus negócios. Houve piquete na porta do cinema. Quando foi anunciada sua última sessão (o filme “Syriana”, com George Clooney), em 2005, todos foram para o cinema e o prefeito apareceu. “O Olympia não fecha”, sentenciou.

Em 2006, após uma mobilização de intelectuais e artistas brasileiros, ficou garantida a preservação do prédio, que sofreu sua quarta intervenção e foi entregue como Espaço Cultural Cinema Olympia. Mas a defasagem bateu de novo em sua tela –ainda assim, ele continua ali, firme, produzindo suas mostras. Em 2011, o ciclo A Escola Vai ao Cinema recebeu 56 mil estudantes.

“Quem tem mais de 30 anos, viveu muita história nesse cinema. Acho um privilégio tê-lo ainda aqui, porque gerações e mais gerações formaram seu olhar nessa sala. Minha infância toda foi aqui”, diz o atual programador do Cinema Olympia, Marco Antônio Moreira, membro da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema). Moreira diz que adoraria ver a fachada do Olympia como era no passado, ou com suas linhas neoclássicas ou mesmo com a roupagem art déco. “Mas os arquitetos do patrimônio ponderam que isso seria uma reconstituição, um falseamento histórico”, diz.

A matinê no Cinema Olympia, segundo o projecionista Luiz Otávio Muniz, que está há 24 anos no ofício, já viveu momentos gloriosos. “A última vez foi quando passou “Titanic”, em 1998. Só de ver aquelas filas imensas já dava gosto”, contou. Testemunhas contam que já viram na plateia daquela sala personalidades como Hector Babenco, Dira Paes, Daryll Hannah, Tom Berenger, William Wyler, Bette Davis, Orson Welles e até o bardo Tom Waits.

Histórias do Olympia

Parte dessas histórias estão reunidas no livro “Cinema no Tucupi”, de Pedro Veriano. Entre elas, está a de um pai incrédulo que, em 1919, entrou no Cinema Olympia para ver o filme “A Chama do Deserto”, de Reginald Barker. Más línguas lhe diziam que seu filho, Sinésio de Aguiar, estava no filme, mas ele não acreditava: tinha enviado o rebento para estudar na Suíça e recebia suas cartas regularmente.

O pai só acreditou quando viu com seus próprios olhos o filho puxando um camelo no papel do árabe Abdulah. O nome de seu filho paraense agora era Syn De Conde, ele tinha rumado para Hollywood em vez de ir para a Suíça, onde um amigo enviava as cartas para a família. Em Hollywood, dividiu apartamento com um novo aspirante a astro, Rodolfo Valentino, e namorava a estrela Alah Nazimova.

Um costume disseminado no Cinema Olympia era a fofoca social, registrada nas publicações sociais locais. Assim, um proprietário de um cinema de bairro foi acusado de “prestar mais atenção às garridices de estonteante senhorita do que ao filme” durante uma sessão. Puladas de cerca eram denunciadas. “Como é belo ver o dr. No Cinema Ideal na sessão, ao lado do seu Ideal”.

Reprodução/Facebook Cinema Olympia

Mais antigo do país em atividade, Cinema Olympia tenta renascer pela 5ª vez

03.dez.1912 – Interior da sala do Cinema Olympia no ano de inauguração

|

Comentários no Facebook