Quem é Jessica Jones? Saiba mais sobre a nova heroína da Marvel na TV

Em mais uma parceria acertada, a Marvel e o Netflix estreiam nesta sexta-feira (20) sua nova série: “Jessica Jones”, sobre a heroína que deixou os dias de uniforme para trás e ganha a vida como investigadora particular. Mas quem é essa mulher que não é tão conhecida como seu antecessor, o Demolidor, e ainda por cima se tornou a primeira personagem do estúdio a ganhar uma produção com seu nome civil?

por

Em mais uma parceria acertada, a Marvel e o Netflix estreiam nesta sexta-feira (20) sua nova série: “Jessica Jones”, sobre a heroína que deixou os dias de uniforme para trás e ganha a vida como investigadora particular. Mas quem é essa mulher que não é tão conhecida como seu antecessor, o Demolidor, e ainda por cima se tornou a primeira personagem do estúdio a ganhar uma produção com seu nome civil?

Comparada a outros heróis da Marvel, Jessica é uma heroína jovem: ela apareceu pela primeira vez na série de quadrinhos “Alias”, em 2001 (sem relação alguma com a série de TV de J.J. Abrams). Criada por Brian Michael Bendis e pelo desenhista Michael Gaydos, ela foi pensada primeiro como uma variação da Mulher-Aranha, Jessica Drew, de quem herdou o primeiro nome. Mas, por questões de continuidade, ela se tornou uma personagem nova e ganhou uma história própria. Quem é Jessica Jones? Saiba mais sobre a nova heroína da Marvel na TV Dona de grande força e resistência e capaz de saltar a grandes alturas, Jessica conquistou seus poderes em um acidente de carro no qual perdeu a família. Ela chegou a salvar vidas como a heroína Safira (Jewel, na versão em inglês), mas uma série de eventos a fez desistir do uniforme para atuar com investigadora.

Mas na série, assim como nos quadrinhos, a origem de Jessica não é o principal. Pouco se fala do acidente que matou sua família, e sua fase como Safira é mencionada apenas de passagem – pelo menos nos setes episódios aos quais Popzone teve acesso. O foco é a personalidade da protagonista, a heroína da Marvel retratada de forma mais humana até agora.

Bem interpretada por Krysten Ritter, a Jessica da série é uma pessoa com o qual muitos espectadores podem se identificar: ela mora em uma vizinhança ruim, pega casos não muito animadores em seu trabalho, é sarcástica e solitária, bebe bastante (até em expediente), é acordada por ligações no celular, tem vizinhos inconvenientes – e faz sexo, coisa difícil de ser ver nos filmes e séries da Marvel.

Jessica também sofre de estresse pós-traumático, fruto de do passado que tem com o vilão Kilgrave (David Tennant), cujo poder é controlar a mente das pessoas. E é justamente a relação complicada e abusiva entre Jessica e Kilgrave, que a manteve sob seu controle por meses, o motor do arco principal da série. A heroína acreditava que o vilão estava morto, mas ele ressurge na vida dela de uma forma bem perturbadora. Poderes à parte, o embate entre os dois é principalmente psicológico, o que deixa evidente não só as inseguranças e vulnerabilidades da heroína, mas também sua disposição em fazer o que precisa ser feito, mesmo que chegue a extremos.

Em sua jornada contra Kilgrave, Jessica conta (ainda que relutante) com o apoio da amiga de infância Trish Walker (Rachel Taylor), uma ex-celebridade infantil que comanda um programa de rádio, e acaba envolvida com Luke Cage (Mike Colter), que assim como ela tem poderes especiais – e é um dos próximos heróis a ganhar uma série própria no Netflix. A relação da heroína com os dois personagens, também retratadas de forma realista, é permeada de afeto, culpas e desejo de proteção.

E quem é Krysten Ritter?

Pouco conhecida, tal qual a sua personagem, a atriz Krysten Ritter vive agora seu primeiro grande papel, mas não é estranha à TV.

Os fãs de “Breaking Bad” a reconhecerão com Jane, a namorada junkie de Jesse (Aaaron Paul), que apareceu na segunda temporada da série. Ela também já trabalhou em séries como “Gilmore Girls” e “Veronica Mars”, e protagonizou a comédia “Don’t Trust the B* in Apartment 23”, que foi cancelada em 2013 após apenas uma temporada.

A atriz também teve papeis de coadjuvante em algumas comédias românticas como “Os Delírios de Consumo de Becky Bloom” e “Jogos de Amor em Las Vegas”. E, por mais que as produções não tenham relação com o clima pesado de “Jessica Jones”, as experiências da atriz com a comédia a ajudaram a conseguir o papel.

A criadora da série, Melissa Rosenberg, se familiarizou com o trabalho da atriz por ser casada com Lev Spiro, diretor de “Don’t…”, e disse ao TheWrap que queria uma pessoa que pudesse trazer um componente mais leve para a série: “Uma das coisas mais importantes para mim era escalar alguém que tivesse habilidades de comédia. A série pode ficar muito sombria e pesada, e ser capaz de injetar leveza era uma das minhas prioridades. Precisava de uma atriz que pudesse fazer isso”.

Os 13 episódios de “Jessica Jones” já estão disponíveis no Netflix.

Você também vai curtir