Em “A Regra do Jogo”, Juliano flagra Zé Maria com a facção: “É um bandido”

Amora Mautner com Cauã Reymond nos bastidores de ‘A Regra do Jogo’ (Divulgação)

por
Diretores de novela não são deuses

Amora Mautner com Cauã Reymond nos bastidores de ‘A Regra do Jogo’ (Divulgação)

Estava aqui, lendo a coluna do Ricardo Feltrin sobre a pendenga entre os atores de ‘A Regra do Jogo’ com a diretora da novela, Amora Mautner. Como de costume, quando as coisas não vão bem no lar, começa a briga entre os familiares e sempre sobra para alguém. Agora foi para a direção.

Mas o que me chamou a atenção foi um determinado trecho no qual se lê: “Alguns atores e atrizes já se indispuseram com Mautner e discordam abertamente do rumo e do espaço cedido a seus personagens (negrito meu) ”. E fiquei aqui a pensar: desde quando diretor decide rumo e espaço de personagem?

Daí me lembrei de uma recente entrevista do diretor de ‘Verdades Secretas’, Mauro Mendonça Jr., em que ele dizia: “Humanizamos mais a Angel (Camila Queiroz). Passei a tratá-la não como uma garotinha inglesa que faz prostituição e não está nem aí. Passei a mostrar dor, culpa. Comecei a mesclar amoralidade com moralismo”. Ou seja, o diretor se arvora na condição de agente transformador da narrativa e do comportamento dos personagens.

Não é preciso ser um expert em teledramaturgia para saber que – a não ser que tenham escrito a trama – diretores não têm esse poder de ditar os rumos e atitudes de personagens. Escritores (os roteiristas) escrevem. Diretores, dirigem. Simples assim. Ou como diria o comentarista de futebol Juarez Soares em seus bons tempos: “atacante ataqueia e defensor defenseia”. E se os diretores estão tendo essa influência toda é porque alguma coisa está errada.

Em 2013, em conversa com um roteirista norte-americano que estava ministrando um curso sobre Showrunner, ele se declarou surpreso com o poder que diretores têm na teledramaturgia brasileira. Para quem ainda não sabe, Showrunner é uma função obrigatória nas séries norte-americanas. Frequentemente ele é o roteirista criador da história e seu papel é coordenar o projeto, comandando outros roteiristas, produtores e escolhendo diretores. Segundo o palestrante, o diretor nos EUA é pago para executar o roteiro e ponto. Bem diferente daqui, diga-se.

Claro, há diretores por lá que imprimem sua marca registrada. É o caso de Cary Fukunaga, que deixou evidenciado seu estilo na primeira temporada de ‘True Detective’. O talento de Fukunaga, por sinal, foi referendado pela recente produção do Netflix, o longa ‘Feras de Lugar Nenhum’.

Mas mesmo deixando sua marca estilística, o diretor não influenciou no destino de personagens ou história. Por aqui, a julgar pelo que se lê em declarações e loas tecidas a alguns diretores, estes são soberanos, quase deuses.

Antes do início de ‘A Regra do Jogo’, houve muito auê a respeito das bossas de direção que Amora Mautner iria introduzir na novela. Muitas câmeras espalhadas pela cena dariam um clima de reality à ação, foi dito. O fato é que não se notou lá muita diferença no ritmo e edição. Em termos visuais, pode-se dizer que ‘Verdades Secretas’ foi até um pouco mais ousada.

 

A televisão brasileira está mudando em ritmo acelerado. Não só em termos de audiência, mas na forma com que o público vem encarando a ficção. Pode ser que em um futuro não muito distante os diretores percam os poderes divinos e passem apenas executar o trabalho pelo qual são contratados, que é dirigir. Já seria o suficiente.

No Twitter: @telaplena

Você também vai curtir