“Jornal da Globo” lançou Fátima e Pelajo, mas horário incomoda âncoras

Montagem/Reprodução/TV GloboÀ esquerda, Fátima Bernardes apresenta o "Jornal da Globo", em 1990; à direita, Christiane Pelajo, em 2014

por
  • Montagem/Reprodução/TV Globo

    "Jornal da Globo" lançou Fátima e Pelajo, mas horário incomoda âncorasÀ esquerda, Fátima Bernardes apresenta o “Jornal da Globo”, em 1990; à direita, Christiane Pelajo, em 2014

Após dez anos, Christiane Pelajo deixou a bancada do “Jornal da Globo” na última quarta-feira (14). O telejornal marcou a estreia da jornalista, ex-GloboNews, na TV aberta. Além dela, o jornalístico lançou Fátima Bernardes e outras profissionais, mas é motivo de reclamações dos apresentadores por causa do horário tardio, com direito a reclamações no ar e pedidos de demissão.

Antes do “Encontro” e do “Jornal Nacional”, Fátima Bernardes apareceu pela primeira vez em rede nacional no “Jornal da Globo”, em 1989. A jornalista, na época com 27 anos, deixou o telejornal local “RJTV” para dividir a bancada com Eliakim Araújo e, meses depois, com o marido William Bonner.

Outra “cria” do “Jornal da Globo” foi Sandra Annenberg. A jornalista era moça do tempo e apresentadora do “Fantástico” quando foi chamada para substituir Lillian Witte Fibe, em 1994. Foi a primeira experiência dela na bancada de um telejornal, antes de ser titular do “Jornal Hoje”.

Madrugada é problema para âncoras

Além de revelações, o “Jornal da Globo” acumula problemas e reclamações. Apresentadores já pediram demissão e reclamaram ao vivo por trabalharem de madrugada. O telejornal, que estreou em 1979 às 23h, já foi ao ar neste ano às 2h da madrugada.

Christiane Pelajo, por exemplo, vinha solicitando mudanças de horário por razões pessoais. William Waack, que apresentará sozinho o “Jornal da Globo” após a saída de Pelajo, não esconde a insatisfação quando o telejornal entra no ar mais tarde. Em abril, ironizou ao dizer que a apresentadora do telejornal das 5h já estava a caminho da Globo: “Mais notícias você vê logo mais no ‘Hora Um, que começa daqui a pouco. A Monalisa deve estar chegando”.

Lillian Witte Fibe pediu para sair em 2000. Na época, a Globo informou que a jornalista “vinha manifestando insatisfação com sua qualidade de vida e também considerou insatisfatória a nova proposta financeira”. Lillian desmentiu a emissora e negou que tinha saído por dinheiro. “Não quero mais dormir durante o dia e viver à noite”, disse à Folha de S.Paulo.

A substituta de Witte Fibe, Ana Paula Padrão, também reclamou publicamente que não gostava de trabalhar nas madrugadas e trocou a Globo pelo SBT, em 2005. No lugar de Padrão, entrou Christiane Pelajo, que deixa o telejornal para cuidar de um novo projeto na emissora.

Você também vai curtir