Vista em 182 países e mais reprisada no Brasil, Maria do Bairro faz 20 anos

Uma das novelas mexicanas mais famosas no mundo completa 20 anos nesta sexta-feira (14). “Maria do Bairro” estreou no Canal de las Estrellas, da rede Televisa, em 14 de agosto de 1995. Foi vendida para mais de 180 países e alçou a protagonista, a atriz e cantora Thalía, à fama internacional. No Brasil, é uma das novelas mais reprisadas da TV.

por

Uma das novelas mexicanas mais famosas no mundo completa 20 anos nesta sexta-feira (14). “Maria do Bairro” estreou no Canal de las Estrellas, da rede Televisa, em 14 de agosto de 1995. Foi vendida para mais de 180 países e alçou a protagonista, a atriz e cantora Thalía, à fama internacional. No Brasil, é uma das novelas mais reprisadas da TV.

“Maria do Bairro” encerra a “trilogia das Marias”, sequência de três novelas estreladas por Thalía – depois de “Maria Mercedes” (1992) e “Marimar” (1994). Os dois dramalhões fizeram sucesso, mas “Maria do Bairro” foi um fenômeno que ultrapassou as fronteiras mexicanas.
Em 1996, foi premiada por ser a telenovela de maior popularidade do México, com 28% de audiência. É a novela mais exportada dos últimos 20 anos (antes de 1995, não há dados precisos), sendo vendida para 182 países. Como comparação, “Avenida Brasil”, a brasileira mais bem-sucedida no mundo, foi ao ar em 150.
Nos EUA, onde foi exibida entre setembro de 1996 e abril de 1997, é uma das poucas a ter mais de 30% de audiência do canal hispânico Univision. Outra rede norte-americana para latinos, Telemundo, produziu um remake, “Marina”, em 2006. “Maria do Bairro” também teve uma versão nas Filipinas, em 2011.
Reprodução

Vista em 182 países e mais reprisada no Brasil, Maria do Bairro faz 20 anos

Thalía posa com Gugu e Xuxa em sua primeira visita ao Brasil, em 1997

Vista em 182 países e mais reprisada no Brasil, Maria do Bairro faz 20 anos No Brasil, multidão no SBT e boicote da Globo

“Maria do Bairro” estreou no SBT em 19 de fevereiro de 1997, no mesmo horário da antecessora, “Marimar”, e incomodou o “Jornal Nacional” (Globo) com médias de até 23 pontos. Com seis exibições, é a novela mais reprisada no Brasil, empatada com “A Usurpadora” (1998). As outras reapresentações também ficaram em segundo lugar no Ibope. Em 2004, chegou a bater a reprise de “Deus nos Acuda” (1992) em “Vale a Pena Ver de Novo”.
Thalía já era famosa no Brasil por causa de “Maria Mercedes” e “Marimar”, mas virou fenômeno com “Maria do Bairro”. Até a Globo se interessou no sucesso dela, que chegou a gravar o “Planeta Xuxa”, mas o programa nunca foi ao ar. Em 2014, Xuxa Meneghel explicou aos fãs na internet por que foi “censurado”: “Acho que foi porque ela era do SBT na época”.
No SBT, Thalía apareceu em quase todos os programas e conheceu Silvio Santos, Serginho Groisman e Gugu Liberato. Em 18 de maio de 1997, levou uma multidão aos estúdios da Vila Guilherme, zona norte de São Paulo, onde participou do Domingo Legal.
Arquivo Pessoal

Vista em 182 países e mais reprisada no Brasil, Maria do Bairro faz 20 anos

Fã de Thalía desde os 11 anos, o assistente comercial Sanderson dos Santos tem quase 10.000 itens relacionados à artista mexicana. Em novembro de 2014, realizou seu sonho e conheceu pessoalmente a protagonista de “Maria do Bairro”

Vista em 182 países e mais reprisada no Brasil, Maria do Bairro faz 20 anos “Tive a sorte de estar, mesmo que do lado de fora, no primeiro programa ao vivo que Thalía gravou no Brasil, ‘Domingo Legal’, um dia antes do meu aniversário. Era tanta gente que no estúdio não coube um terço de todo o público que foi vê-la, e no final ela saiu na marquise do prédio do SBT para nos cumprimentar”, relembra o fã Sanderson dos Santos, 31 anos.

Colecionador de mais de 10 mil itens relacionados a Thalía, entre CDs, fotos, autógrafos e recortes de jornal, Sanderson dos Santos considera “Maria do Bairro” sua novela favorita pelo conteúdo e a carga dramática: “As histórias são mais interessantes: uma pessoa que tinha morrido e não morreu, a vingança, a perda de memória da Maria, o filho perdido. São muitas ‘sofrências’ em uma novela só”.
Dubladora de Thalía já parou restaurante
O drama de “Maria do Bairro” foi mantido na dublagem brasileira, realizada pelo extinto estúdio Herbert Richers, no Rio. Para Ricardo Schnetzer, voz do ator Fernando Colunga (Luís Fernando na trama mexicana), o segredo do sucesso dos “dramalhões” é o excesso de sentimentalismo.
“[Maria do Bairro] é emoção pura, envolve drama, relacionamentos, amor e paixão. A maioria do público da novela é feminino. Penso nas mulheres quando dublo Fernando Colunga. Ele é um galã e é como se eu as estivesse seduzindo. O dublador tem que passar a verdade ao público”, argumenta.
Dubladora de Thalía no Brasil, Guilene Conte é reconhecida até hoje nas ruas por causa da voz: “Uma vez estava em um restaurante e passava a novela na TV. Dois garçons assistiam, e um falou para o outro: ‘Ela [Thalía] é muito bonita’. O outro respondeu: ‘Mas a voz é mais bonita ainda’. Escutei, achei simpático e me apresentei. Foi uma festa, todo mundo parou para tirar fotos”.
Guilene Conte, que também é reconhecida por dublar Rochelle (Tichina Arnold) na série “Todo Mundo Odeia o Chris” (2005), gosta de dublar Thalía e se identifica com a estrela mexicana: “Ela tem o mesmo timbre de voz que o meu, é muito parecido, o ritmo de falar é calmo como o meu. Mas dublar é sempre difícil”.
Do lixo ao luxo: a história de Maria do Bairro
Remake de “Os Ricos Também Choram” (1979), “Maria do Bairro” mostra em 185 capítulos a transformação de Maria (Thalía), uma garota pobre de 15 anos que cata lixo para sobreviver. Após perder a madrinha, é acolhida pelo milionário Fernando de la Vega (Ricardo Blume), mas passa a ser desprezada pela mulher dele, Victoria (Irán Eory). O filho, Luís Fernando (Fernando Colunga), começa a seduzi-la, sem sucesso.
Depois de muitas investidas de Fernando, Maria se apaixona por ele e vira a maior inimiga da ambiciosa Soraya Montenegro (Itatí Cantoral), sobrinha de Victoria. A vilã diz estar grávida do galã e o obriga a se casar com ela. Ao brigar com um amante, Soraya cai de um prédio e forja a própria morte. Novamente juntos, Maria e Luís Fernando se casam e esperam o primeiro filho. Ele desconfia que está sendo traído e pede o divórcio, para desespero da mulher, que abandona a mansão e dá à luz no hospital.
Transtornada, Maria entrega o recém-nascido a uma desconhecida e é internada em um hospício. Luís Fernando tenta diminuir a dor da mulher adotando uma garota. Catorze anos depois, a protagonista reencontra o filho, Nandinho (Osvaldo Benavides), e Tita (Ludwika Paleta) descobre que foi adotada por Luís Fernando. No meio das revelações, Soraya, dada como morta, retorna querendo vingança.

Você também vai curtir