Em premiação de Gramado, Luiz Carlos Barreto repudia tentativa de golpe

Convidado ao palco para entregar algumas estatuetas para concorrentes de longas-metragens, Luiz Carlos Barreto, o Barretão, defendeu a democracia e se disse contra os que planejam um golpe no país. O produtor foi aplaudido pela maioria da plateia, mas era possível ouvir algumas vaias na plateias.

por
06ago2015---o-premio-kikito-decora-o-tapete-vermelho-do-43-festival-de-cinema-de-gramado-1439249043164_956x500

Convidado ao palco para entregar algumas estatuetas para concorrentes de longas-metragens, Luiz Carlos Barreto, o Barretão, defendeu a democracia e se disse contra os que planejam um golpe no país. O produtor foi aplaudido pela maioria da plateia, mas era possível ouvir algumas vaias na plateias.

A cerimônia começou com 40 minutos de atraso e contou com a presença de Mariana Ximenes e Vladimir Brichta, protagonistas de “Um Homem Só”, filme premiado com melhor fotografia.

O prêmio de melhor longa estrangeiro foi para o argentino “La Salada”, de Juan Martin Hsu. O melhor curta-metragem foi para o gaúcho “O Corpo”, de Lucas Cassales, protagonizado pelo uruguaio Cesar Troncoso. Matheus Nachtergaele ganhou o prêmio de melhor ator de curta por “Quando Parei de Me Preocupar Com Canalhas”.

A banda Rock de Galpão, de Porto Alegre, embalou a noite nos intervalos da premiação. O grupo musical participou de uma homenagem ao Teixeirinha, astro e produtor do cinema nacional.

Ao longo de oito dias de competição, foram exibidos no Palácio dos Festivais 15 curtas-metragens brasileiros, oito longas brasileiros e sete longas de países como Cuba, Equador, Argentina, Uruguai, Costa Rica e México.