Nana Gouvêa vira estrela de filme de ficção científica nos Estados Unidos

Reprodução/Facebook/Nana Gouvea Oficial Uma cientista que protagoniza um filme de ficção científica. Este é o novo desafio profissional da modelo Nana Gouvêa, que vive a personagem em "Black Wake", sua estreia como atriz no cinema norte-americano. O filme é dirigido por Jeremiah Kipp e tem produção executiva do marido da modelo, Carlos Keyes. Em entrevista por telefone ao UOL, ela fez questão de ressaltar que não foi favorecida por este detalhe, pois o trabalho não é diferente do que o marido dela já faz normalmente.

por
  • Reprodução/Facebook/Nana Gouvea Oficial

    Nana Gouvêa vira estrela de filme de ficção científica nos Estados Unidos

Uma cientista que protagoniza um filme de ficção científica. Este é o novo desafio profissional da modelo Nana Gouvêa, que vive a personagem em “Black Wake”, sua estreia como atriz no cinema norte-americano. O filme é dirigido por Jeremiah Kipp e tem produção executiva do marido da modelo, Carlos Keyes. Em entrevista por telefone ao Popzone, ela fez questão de ressaltar que não foi favorecida por este detalhe, pois o trabalho não é diferente do que o marido dela já faz normalmente.

“Não é que o Carlos tem uma fazenda, vende gado e decidiu bancar um filme para mim. Ele trabalha com entretenimento, agencia atores e cantores, e isto já é parte de seu universo. Graças a Deus, está dando tudo certo”, disse Nana. Do elenco, a figura mais conhecida é o ator Eric Roberts, irmão da atriz Julia Roberts, que ficou famosa após estrelar “Uma Linda Mulher”.

De acordo com Nana, as críticas não a abalam. “Sou muito consciente da pessoa que sou, pois sei dos meus esforços e dificuldades”, ressaltou, antes de declarar que até gosta de ser criticada. “Consigo diferenciar o que é real do que é apenas bullying, ou seja, algo que não me acrescenta nada. Mas é sempre bom escutar, pois não vejo ninguém melhorando quando só escuta elogios”.

“Como é que funciona isso?”
A modelo explica que sua chegada ao cargo de protagonista de longa-metragem nos Estados Unidos começou em um teste para outro filme. “Das 400 garotas, passei entre as 20 melhores e, depois, fiquei entre as duas finalistas, com uma outra atriz com sotaque britânico. Optaram por ela, pois a personagem era uma vampira milenar. E o sotaque brasileiro não combinava, por razões óbvias”, explicou.

Segundo Nana, o diretor gostou tanto de seu trabalho que a convidou para um outro projeto que estava tocando. O problema é que seria produzido apenas depois do tal filme do vampiro, que o cineasta já estava gravando com outra turma. Só depois de finalizar é que ele correria atrás de um novo patrocínio.

“Disse: ‘Epa, como é que funciona isso?’ E ele me explicou sobre o papel do produtor executivo, que financia o filme e se torna dono dos direitos. Depois, me apresentou o orçamento do projeto e falei: vou marcar uma reunião sua com meu marido. Não quero esperar, quero fazer agora [o projeto]”, contou ela, ressaltando que o diálogo aconteceu em abril.

Mistério
Nana Gouvêa faz mistério sobre sua personagem em “Black Wake”, ressaltando que não pode falar nomes ainda, pois diz que, desta forma, acabará contando a história do filme. “Posso dizer que interpreto uma cientista, parte de um grupo de especialistas em várias áreas, que se juntou para investigar as causas de uma epidemia de demência, que causa mortes e assassinatos”, contou.

O grande conflito do filme é que a personagem de Nana segue uma teoria diferente da dos demais colegas. “Dentro do grupo tem esta separação. Eles juntos lá e eu aqui”, ressaltou, dizendo que ninguém é 100% bom ou 100% mau na história. Segundo ela, o lançamento do projeto será mundial, mas ainda está em negociação.

“As gravações terminam apenas em agosto e, até o momento, apenas 60% do filme foi feito. Falta gravar a participação de outros atores, que ainda não foram anunciados”, explica Nana.

Você também vai curtir