TOPO

Pesquisa revela que “Mil e Uma Noites” é favorita por 45% dos participantes

por Redação / Publicado em quinta-feira, 04 jun 2015 20:03 PM / / 752 views
Recente pesquisa na internet revelolu que 45% dos telespectadores de folhetins diários preferem a trama da Turquia a novelas como “Babilônia” e “Dez Mandamentos”.

“Estava cansada das ‘porcalhadas’ da Globo e pensei: ‘Vou assistir a essa novela e rever Istambul’ e acabei me apaixonando. Todo homem deveria assistir para ver como se ama uma mulher”, revelou uma participante da pesquisa.

Mil e Uma Noites
Cartaz de divulgação da novela turca “Mil e Uma Noites”

“Mil e Uma Noites” tem 90 capítulos e a história gira em torno de Sherazade (Begüzar Korel), uma jovem arquiteta que não consegue pagar o tratamento de saúde do filho pequeno, Kaan (Efe Çinar), que tem leucemia. Disposta a tudo para salvá-lo, ela aceita ir para cama com seu chefe, o rico e manipulador Onur em troca do dinheiro. Após passar a noite com Sherazade, Onur se apaixona pela funcionária. Esse momento é conhecido como a “noite negra” na história.

Sem cenas de sexo e demonstrações exageradas de carinho, mas com temas como prostituição e aborto (proibido no Brasil, mas legalizado na Turquia até a décima semana de gestação) no enredo, os fãs não veem a abordagem como uma afronta.

“A questão do aborto faz parte dos costumes da Turquia, não faz parte da cultura brasileira. Sou contra o aborto, mas não me ofendo [de ver na novela]. Se tivesse uma votação no Brasil a favor da legalização, votaria contra. Mas isso não depende de mim, é uma questão de legislação…”, disse Thereza.

A forma com que o personagem Onur trata Sherazade, aos gritos ou muitas vezes a puxando pelo braço, também é justificável para as fãs, que enxergam as atitudes como uma demonstração de amor.

Tradição turca em telenovelas
Como no Brasil, “Mil e Uma Noites” (2006 – 2009) também foi um sucesso no Oriente. “Era um furacão na Turquia”, contou a turca Berna Ayata, que trabalhou como colaboradora da autora Glória Perez em “Salve Jorge”. Surpresa com a repercussão, a turismóloga não imaginava que uma história de sua terra pudesse cativar o público latino – “achei que o assunto não interessaria”.

“O carinho na Turquia é diferente. Aparentemente, os brasileiros são mais carinhosos, demonstram mais, mas o homem turco é mais apaixonado. Na Turquia existe um carinho enorme, mas isso não é nítido. Não é comum ver pessoas se beijando nas ruas, não porque não pode, mas porque não faz parte da cultura. Minha mãe sempre me disse: ‘Há lugar para isso'”, completou Berna, que mesmo morando no Brasil há mais de dez anos, não se sente à vontade de dar selinho em público.

Há cerca de 15 anos, a Turquia deixou de importar novelas e passou a produzir os seus próprios folhetins. Diferentemente do Brasil, elas funcionam como seriados e chegam a ficar no ar por dez anos, fazendo com que realidade e ficção se misturem. Em cada dia da semana é exibido um capítulo de cada trama. Atualmente, cinco folhetins estão no ar ao mesmo tempo.

Mil e Uma Noites
Berna Ayata mora no brasil há mais de dez anos e trabalhou como colaboradora da autora Glória Perez em “Salve Jorge”

De 2006 para cá, os folhetins turcos passaram a retratar o cotidiano e valorizar a história da população, o que atraiu o público masculino. No ar há nove anos, “Muhtesem Yüzyil” é um exemplo desta transição. A história retrata a vida de um sultão interpretado pelo ator Halit Ergenç e se passa durante o Império Otomano.”É uma febre, não tem um turco que não assista. Os folhetins sempre fizeram parte da cultura, mas até então homens não assistiam novelas. Era um hábito das mulheres”, contou Berna, reconhecendo que isso dificilmente será dito abertamente. “Como a Turquia é um país mais machista, eles nunca vão dizer que assistem”.

Considerando os bons resultados de “Mil e Uma Noites”, a Band comprou os direitos de “Fatmagül’ün Suçu Ne”, exibida pelo Kanal D, em 2010. A turca Sahine Ayata, 72, moradora de Ankar, tem dúvidas sobre a repercussão dessa trama na América do Sul.

“As pessoas podem achar omisso o que acontece todo dia na Turquia, porque se trata de uma menina estuprada tentando colocar os culpados na cadeia”, alertou. Ela ainda dá dois conselhos os produtores nacionais: “Comprem “Muhtesem Yuzyil”  e “Arka Sokaklar” (no ar há dez anos).”

Noveleira assumida, Sahine ainda faz uma observação: “Acho que os nossos galãs são mais bonitos do que os brasileiros” [risos]. A filha Berna também concorda: “Os homens na Turquia são bem parecidos com o Onur. São robustos”.

|

Comentários no Facebook