Velozes e Furiosos 7

Após a estreia de “Velozes e Furiosos 7” que, só no primeiro fim de semana de estreia faturou US$ 143.6 milhões nos EUA e Canadá, a Universal divulgou que 75% da audiência era de origem mestiça não-branca, segundo site "Hollywood Reporter".

por

Velozes-e-Furiosos-7
Após a estreia de “Velozes e Furiosos 7” que, só no primeiro fim de semana de estreia faturou US$ 143.6 milhões nos EUA e Canadá, a Universal divulgou que 75% da audiência era de origem mestiça não-branca, segundo site “Hollywood Reporter”.

Grande parte dos espectadores norte-americanos do sétimo filme da franquia era de origem hispânica, 37%; seguido de brancos, 25%; afrodescendentes, 24%; e asiáticos, 10%.

“A diversidade do elenco é o que tem conferido êxito à marca. Praticamente todo espectador no mundo se vê de alguma forma com algum dos atores e isso tem gerado muitos dividendos na bilheteria”, argumentou o analista da Rentrak, Paul Dergarabedian.

O sétimo filme da franquia “Velozes e Furiosos” estreou em primeiro lugar nas bilheterias de 63 mercados internacionais totalizando US$ 384 milhões. Essa é considerada a quarta maior bilheteria mundial de estreia da história, atrás apenas de “Harry Potter e as Relíquias da Morte” (US$ 483,2 milhões),  “Harry Potter e o Enigma do Príncipe” (394,4 milhões) e “Os Vingadores” (US$ 392,5 milhões).

O elenco de “Velozes e Furiosos 7” reúne Vin Diesel, Michelle Rodriguez, Tyrese Gibson, Jason Statham, Dwayne Johnson e Paul Walker, falecido em um acidente automobilístico em novembro de 2013. Djimon Hounsou, Ludacris e o artista Tony Jaa também estrelam.

Em geral, Hollywood é criticada pela falta de diversidade tanto em seus estúdios como na frente das câmeras. “Esta é uma franquia que realmente se parece com os EUA, pois há personagens que qualquer um pode se familiarizar”, comentou Nicholas Carpou, presidente de distribuição da Universal.

Fora do mercado norte-americano, “Velozes e Furiosos 7” abriu com US$240.4 milhões. México liderou na América Latina com US$20.8 milhões de espectadores, seguido do Reino Unido com US$19 milhões.