Shawn Mendes, Alabama Shakes e Paul Simon estão nos Lançamentos da Semana!

por


Shawn MendesHandwritten

Shawn Mendes
Handwritten

Deve ter alguma coisa na água do Canadá que gera talentos precoces. Exemplos não faltam, de Celine Dion (que lançou seu primeiro álbum aos 13 anos) e Avril Lavigne até, claro, Justin Bieber.

Ou seja, Shawn Mendes faz parte de uma linhagem mais do que bem sucedida. A outra boa notícia é a de que seu disco de estreia, faz prever um bom futuro para ele.

Mendes começou sua carreira de uma maneira bastante comum nos dias de hoje: postando vídeos na web cantando covers de sucessos.

Shawn Mendes

Para sua sorte, seus clipes chamaram a atenção de um dos diretores da Island Records que acabaram por lhe render um contrato de gravação. Depois de lançar um EP no ano passado, ele agora lança “Handwritten” que estreou no topo da parada americana e no top 20 britânico – nada mal para um garoto de 16 anos.

Obviamente o disco tem sua cota de canções mais comerciais prontas para estourar nas rádios e serviços de streaming musical. Mas vale mais a pena prestar atenção nas músicas com menos cara de hit single.

São elas que mostram que Mendes é um cantor seguro, com boa voz e talento para as baladas acústicas e músicas com influência da soul music.

Faixas como “Kid In Love” ou “I Don’t Even Know Your Name” provam que o jovem tem muito potencial. Ele só precisa saber administrar sua carreira e escapar das armadilhas da indústria da música e do mundo das fama que fatalmente surgirão em seu caminho.

Ouça “Life Of The Party” com Shawn Mendes presente no álbum “Handwritten


Alabama ShakesSound & Color

Alabama Shakes
Sound & Colour

Ter que lançar um segundo disco depois de surpreender público e crítica com seu disco de estreia é sempre difícil. Mais ainda quando se percebe que essas pessoas também já têm uma ideia preconcebida de como você deverá soar.

Talvez isso ajude a explicar a relativa guinada sonora dos Alabama Shakes nesse “Sound & Color“. Não que a banda de Brittany Howard tenha gravado um disco de rap ou dance music, mas também não dá para chamar o disco de “Boys & Girls” – a tal estreia de 2012 – parte 2 – ainda que o som deles siga calcado no rock e soul dos anos 60 e 70.

Alabama Shakes

A diferença é que a banda aqui se mostra mais tributária ao soul melódico e sutil de Curtis Mayfield e menos ao soul rasgado típico do sul dos Estados Unidos do que antes.

Howard também disse que discos de Funkadelic, David Axelrod e Erykah Badu foram igualmente fundamentais na criação das novas faixas, ainda que essas influências não estejam tão evidentes no álbum, ao menos nas primeiras audições.

No final o que interessa mesmo é saber que “Sound & Color” é outro belo disco de um grupo que vai se firmando como um dos melhores desta década. Escute e torça para que eles tragam a nova turnê para o Brasil.

Ouça “Don’t Wanna Fight” com os Alabama Shakes presente no álbum “Sound & Color


Paul SimonThe Ultimate Collection

Paul Simon
The Ultimate Collection

Um dos maiores compositores da história da música pop, Paul Simon é dono de uma discografia não bastante respeitável. Afinal poucos podem se gabar de ter lançado mais de um álbum fundamental nas décadas de 60, 70 e 80. Depois disso ele pode ter perdido um pouco de sua força e impacto, mas jamais deixou de lançar discos no mínimo dignos.

Essa coletânea saiu para marcar a turnê que ele vai fazer ao lado de Sting e estreou no topo da parada britânica desta semana.

The Ultimate Collection” é uma boa introdução à sua obra, mas nem de longe definitiva. Ainda assim o álbum dá uma geral em sua carreira. Temos aqui tanto os clássicos de Simon And Garfunkel – a dupla que ele formou nos anos 60 com Art Garfunkel – quanto as canções de “Graceland” – o megaplatinado e polêmico álbum que ele gravou com músicos da África do Sul em 1986.

Paul Simon

O pacote ainda passa pelos momentos mais introspectivos de seus discos dos anos 70 e se completa com duas músicas lançadas depois de 1990, sendo que uma delas é “The Obvious Child” gravada ao lado do Olodum.

Quem já o conhece e tem alguns de seus trabalhos em casa talvez não sinta muita necessidade desse disco – ainda que ele seja ótimo para ouvir no carro, celular ou Mp3 player. Para os neófitos ele é uma boa introdução à obra desse mestre da música pop.

Ouça “The Boy in the Bubble” com Paul Simon presente em “The Ultimate Collection

Você também vai curtir