Dia do índio! Veja aqui os principais índios da TV.

Se até hoje quase sempre aos negros são relegados papéis secundários nas novelas, a situação dos índios é ainda pior. Retratados de maneira caricata e estereotipada, poucas vezes índios de verdade foram escalados para os papéis que lhe caberiam por direito. Neste Dia do Índio, relembre as tentativas da TV brasileira de "homenagear" os primeiros habitantes do Brasil.

por

Se até hoje quase sempre aos negros são relegados papéis secundários nas novelas, a situação dos índios é ainda pior. Retratados de maneira caricata e estereotipada, poucas vezes índios de verdade foram escalados para os papéis que lhe caberiam por direito. Neste Dia do Índio, relembre as tentativas da TV brasileira de “homenagear” os primeiros habitantes do Brasil.

Potira (Lúcia Alves)

Reprodução/TV

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Lúcia Alves em “Irmãos Coragem” (1970)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 1970
Novela: “Irmãos Coragem”
Emissora: Globo
Papel: A atriz Lúcia Alves, que participou de várias produções da Globo nos anos 70 e 80, fez o papel da índia que vivia um relacionamento com Jerônimo, um dos “Irmãos Coragem”
Grau de Verossimilhança (3): A maquiagem e o figurino ajudavam a disfarçar, mas a atriz não tinha nenhuma ascendência indígena. Era preciso bastante suspensão da descrença para comprar a ideia dela como índia.
Aritana (Carlos Alberto Ricelli)

Divulgação

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Carlos Alberto Ricelli em “Aritana” (1978)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 1978
Novela: “Aritana”
Emissora: Tupi
Papel: Carlos Alberto Ricelli interpretou o filho de uma índia com um branco. O grande drama da história é a necessidade de Aritana defender a terra dos índios de um grupo americano que deseja comprar tudo. Já na época em que a Tupi estava em decadência, a novela foi massacrada por Dancin’ Days, da Globo. Mas serviu para juntar o casal Ricelli e Bruna Lombardi, que faziam par romântico na novela, e estão juntos até hoje.
Grau de verossimilhança (6): Como Ricelli fazia o filho de um branco com uma índia, até que passava. Mas os parcos recursos da Tupi o deixaram parecido com um cosplay do Papa-Capim, personagem dos quadrinhos de Mauricio de Sousa.
Potira (Dira Paes)

Reprodução

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Dira Paes em “Irmãos Coragem” (1995)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 1995
Novela: “Irmãos Coragem”
Emissora: Globo
Papel: No remake da novela da década de 70, desta vez escalaram uma descendente de índios para o papel de Potira: Dira Paes. Com o biotipo certo – e muito talento – a atriz paraense de Abaetetuba se encaixou no papel e convenceu no papel da índia Potira.
Grau de verossimilhança (8): Descendente de portugueses, negros e índios, Dira foi a primeira atriz bem escalada para o papel de índia.
Caraíba (Stênio Garcia) e Moatira (Maria Maya)

Reprodução

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Stênio Garcia e Maria Maya em “A Muralha” (2000)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2000
Minissérie: A Muralha
Emissora: Globo
Papel: Stênio Garcia fez o papel de Caraíba, chefe da tribo e protetor dos guerreiros. Maria Maya, como a índia Moatira, era abusada sexualmente por Dom Braz (Tarcísio Meira), um bandeirante que fazia os índios de escravos para vendê-los como mão-de-obra. Na trama, ela se envolve amorosamente com o padre Miguel, vivido por Matheus Nachtergaele.
Grau de verossimilhança (5): A produção caprichada, feita para comemorar os 500 anos do descobrimento do Brasil, também caprichou na caracterização dos personagens. Mas como nem Maria Maya, nem Stênio Garcia são remotamente indígenas, ficou difícil vê-los como índios. Garcia ainda é melhor pilotando uma Scania.
Paraguaçu (Camila Pitanga); Moema (Deborah Secco)

Reprodução

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Camila Pitanga e Deborah Secco em “Caramuru” (2000)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2000
Minissérie: “Caramuru, A Invenção do Brasil”
Emissora: Globo
Papel: Camila e Deborah são duas irmãs que se apaixonam por Diogo Álvares Correia (Selton Mello), um degredado que acaba na costa brasileira antes de Pedro Álvares Cabral. Paraguaçu ensina o canibalismo e o amor livre a Diogo, que depois também se envolve com Moema.
Grau de verossimilhança (3): A minissérie, depois transformada em filme em 2001, era cômica. Não tinha intenção de ser fiel historicamente. As personagens marcaram mais pelo estereótipo das selvagens libidinosas do que por qualquer retrato fidedigno dos índios brasileiros.
Tatuapu (Cláudio Heinrich)

Divulgação/Montagem

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Cláudio Heinrich em “Uga Uga” (2000)

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2000
Novela: “
Uga Uga”
Emissora: Globo
Papel: Tatuapu era ainda criança quando é levado por seus pais Nikos Jr. (Marcos Frota) e Mag (Denise Fraga) a uma expedição na Amazônia. Sua família é dizimada por uma tribo, mas ele é adotado por índios rivais e criado como parte do grupo até a idade adulta, até ser descoberto e levado de volta à civilização.
Grau de verossimilhança (5): Como índio não há nenhum motivo para convencer, já que ele é um homem branco que foi adotado por uma tribo. O que não convence mesmo é a história, sem pé, nem cabeça, e as habilidades interpretativas de Heinrich.
Serena (Priscila Fantin)

João Miguel Júnior/TV Globo

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Priscila Fantin em “Alma Gêmea”

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2005
Novela: “Alma Gêmea”
Emissora: Globo
Papel: Serena é filha de uma índia com um garimpeiro que cresce em uma aldeia indígena, mas acaba indo parar na “cidade grande”, onde apaixona-se por Rafael (Eduardo Moscovis). A paixão tem razão para acontecer: Serena seria a reencarnação da esposa de Rafael, Luna (Liliana Castro), que morreu pouco depois do casamento.
Grau de verossimilhança (3): Priscila é linda, mas não tem nada de índia. E numa história que mistura espiritismo e reencarnação com indígenas, a coisa fica ainda pior.
Ayani (Eunice Baía)

Divulgação

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Eunice Dias em “Amazônia”

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2007
Minissérie: “Amazônia”
Emissora: Globo
Papel: A história do Acre, narrada nesta minissérie de 55 capítulos, foi retratada após uma extensa pesquisa histórica. Para o papel da índia Ayani, chamaram Eunice Baía, hoje com 24 anos, protagonista do filme Tainá, Uma Aventura na Amazônia.
Grau de verossimilhança (10): Descendente de índios, Eunice nasceu no Pará, em Barcarena. Uma rara escolha acertada para o papel.
Estela (Cléo Pires)

Divulgação

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los"

Cléo Pires em “Araguaia”

No Dia do Índio, relembre tentativas que a TV já fez para "homenageá-los" Ano: 2010
Novela: “Araguaia”
Emissora: Globo
Papel: Descendente da fictícia tribo dos karuês, Estela começa a novela casada com Fernando (Edson Celulari). Com a morte dele, passa a namorar o enteado Solano (Murilo Rosa). Sua intenção é garantir que uma maldição se abata sobre o rapaz, mas ela acaba (clichê) se apaixonando de verdade pelo mancebo.
Grau de verossimilhança (4): Como criar um índio no manual da TV: deixe o sujeito bronzeado, passe tinta preta e vermelha, saia de palha, adereços artesanais e voilá. Engana só com quem passou a vida na frente da TV.

Você também vai curtir