TOPO

Ao comentar novela, Faustão diz que Brasil precisa trabalhar a tolerância

por Redação / Publicado em segunda-feira, 13 abr 2015 11:22 AM / / 669 views

faustoFausto Silva disse na noite deste domingo (12) que o Brasil ainda “precisa trabalhar muito a questão da tolerância”. A declaração do apresentador surgiu ao repercutir cenas que envolvem o casal lésbico Teresa (Fernanda Montenegro) e Estela (Nathalia Timberg) em “Babilônia”, justamente o casal que provocou polêmica na internet e gerou até um pedido de boicote pela parcela mais conservadora do público

“E, aliás, um país como o nosso precisa trabalhar muito a questão da tolerância, que é um problema mundial, universal, e a novela mexe muito com isso, nessas feridas”, disse Fausto Silva durante o seu programa. “Se cada um sentasse no seu rabo, e não ficasse olhando para o outro, a vida seria muito melhor para todo mundo, não é verdade?”, completou o apresentador, em seguida.

Fausto não se aprofundou nas críticas, mas ganhou o apoio de Chay Suede, ator que interpreta Rafael, filho do casal lésbico na novela. “As pessoas têm o direito de pensar, crer, amar da forma como elas quiserem. E as outras pessoas, por mais que elas pensem da forma contrária, elas não têm nada a ver com isso”, afirmou Suede. “Na novela, a gente fala sobre a tolerância sexual, pelo fato de ter um casal lésbico, o preconceito de idade –para muita gente, duas pessoas com idade avançada não podem se amar”, declarou o ator”, finalizou.

Em entrevista ao Popzone, o autor Ricardo Linhares garantiu que as tramas do casal não serão alteradas, e que o público pode esperar novos beijos gays, porque, segundo o escritor, a ideia é mostrar um casamento como outro qualquer.

“Haverá beijos, selinhos, abraços, demonstrações de afeto do casal, sem necessidade de alarde. O beijo não é um evento. Não é feito para chocar. É natural num casal. E eu gostaria que tanto os beijos quanto a família homoafetiva de Teresa, Estela e Rafael (Chay Suede) fossem encarados com naturalidade. Há cada vez mais famílias assim, ou de formação heterodoxa, na moderna sociedade brasileira, basta olhar em volta. Infelizmente, algumas pessoas se deixam levar pelo fundamentalismo religioso, com argumentação anacrônica, ignorando a pluralidade da formação das famílias contemporâneas”, disse ele.

A trama escrita por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga registra o pior desempenho em audiência na história da faixa de novelas das oito e nove da Globo. Para tentar alavancar os índices, a emissora realizou algumas mudanças no logotipo e na abertura de “Babilônia” doze dias depois da sua estreia. O tom escuro, preto e avermelhado deu lugar à coloração mais leve, acinzentada e branca. A música “Pra que chorar”, de Mart’nália, no entanto, continua como o tema oficial de abertura.

“Babilônia” tem sofrido com críticas ao núcleo cômico, com a ameaça de boicote de evangélicos insatisfeitos com as cenas de beijo entre o casal lésbico Teresa e Estela, e também com os baixíssimos índices de audiência.

De acordo com o colunista Flávio Ricco, do Popzone, a Globo decidiu pela antecipação do grupo de discussão de “Babilônia”. A emissora, prossegue Ricco, não está usando os problemas técnicos do Ibope para justificar números que não lhe são favoráveis, mas, apenas reconhece o bom momento de suas concorrentes –Record e SBT– e que elas precisam ser atacadas.

|

Comentários no Facebook