Antes de ser vilão em novela, Caio Castro fez contato com chefes do tráfico

Zé Paulo Cardeal/TV GloboCaio Castro como Grego em "I Love Paraisópolis" Caio Castro não gosta de usar a palavra vilão para descrever Grego, seu personagem na próxima novela das sete, "I Love Paraisópolis". Mas o dono de um desmanche de carros na comunidade é um contraventor que, segundo as palavras dele, exerce um controle sobre os moradores. Até por isso, durante a preparação para o papel, ele entrou em contato com chefes do tráfico

por

Antes de ser vilão em novela, Caio Castro fez contato com chefes do tráfico

Caio Castro como Grego em “I Love Paraisópolis”

Caio Castro não gosta de usar a palavra vilão para descrever Grego, seu personagem na próxima novela das sete, “I Love Paraisópolis”. Mas o dono de um desmanche de carros na comunidade é um contraventor que, segundo as palavras dele, exerce um controle sobre os moradores. Até por isso, durante a preparação para o papel, ele entrou em contato com chefes do tráfico

“No Rio eu vi um ou outro em festa, de ter ido a algum baile na favela e alguém comentar: ‘É tal cara’. Em São Paulo fiz questão de chegar perto pra pegar alguma informação, expliquei que ia fazer a novela e me receberam normal. Tem uma diferença bem grande entre as duas cidades. Em São Paulo, não ostentam muita arma, não ficam com fuzil pra cima, não rola isso. É mais discreto, outro tipo de relação”, conta ele, que visitou a comunidades Vietnã e outras  duas nos bairros de Vila Prudente e Capão Redondo, na capital paulista.

Além disso, o ator buscou referências para compor o personagem também na ficção. “Vi bastante coisa. Já estava assistindo a ‘Breaking Bad’, mas comecei a ver com olhar de ator, estudando. Mas não quero copiar ninguém”, reforça.

As visitas a Paraisópolis, que o intérprete não conhecia, também ajudaram na fase de preparação. “Tenho amigos que moram lá, mas nunca tinha ido. Eu moro longe, pro lado de Jabaquara, não é tão perto. Fui com um olhar mais observador e pude ir um pouco mais a fundo”, lembra o ator paulistano.
Triângulo amoroso

Acostumado aos papéis de galã, Caio diz que está trabalhando para quebrar estereótipos e diz que o personagem não é do tipo que mata, mas “que manda matar”. Mas lembra Grego também tem seu lado mais suave, com tiradas engraçadas e um romance mal resolvido com Marizete (Bruna Marquezine), que namorou na adolescência, mas que agora terá que disputar com Benjamin (Maurício Destri).

“Ele tem um lado bastante humano. Não é um vilão, ele é o antagonista da história, mas o que é bom ou mau. Ele tem a referência dele, a realidade dele, os próprios motivos. Ele usa o poder como forma de defesa, em oposição ao menino bonzinho e rico, que tem oportunidade de oferecer uma vida boa à mocinha. Grego acha que é certo ostentar”, analisa.

Marcada para estrear dia 11 de maio, substituindo “Alto Astral”, “I Love Paraisópolis”  é escrita pelos autores, também paulistanos, Mário Teixeira e Alcides Nogueira, e tem direção de Wolff Maya.

Você também vai curtir