TOPO

Aguinaldo Silva critica Globo – “Mania idiota de começar a novela no exterior”

por Redação / Publicado em domingo, 05 abr 2015 19:09 PM / / 973 views

agnaldo silva

Aguinaldo Silva criticou na manhã deste sábado (4) a estratégia da Globo em iniciar histórias de novelas em outros países. A emissora –na qual Silva trabalha já há alguns anos– tem adotado esse artifício com o objetivo mercadológico de divulgar culturas e as suas respectivas produções em outros países.

“O que eu acho ridículo é essa mania idiota de começar a novela no exterior, às vezes no cu do mundo, tipo Nepal, cujo único charme real, além da altitude asfixiante, é que todo mundo caga na rua”, disparou Silva em texto publicado em seu blog,

A Globo iniciou a história de “Joia Rara” (2013) exatamente no Nepal. A trama escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes ganhou o prêmio Emmy de Melhor Telenovela um ano depois.

“Eu comecei ‘Império’ no lugar mais ‘oeste longíquo’ do Brasil, no Monte Roraima, um lugar tão remoto que a gente só pode chegar lá pela Venezuela – que, por sinal, não deu visto de trabalho para o pessoal da Globo (esses nossos amigos bolivarianos são adeptos do “venha nós, nosso reino nada” o Brasil dá tudo para eles e, em troca, eles nos consideram ‘imperialistas’)”, prosseguiu o autor.

"Mania  idiota de começar a novela no exterior", detona Aguinaldo Silva
Infográfico produzido pela Globo contabilizava 19 produções gravadas no exterior

Em um infográfico publicado em sua página, a Globo contabilizava 19 produções gravadas no exterior até 2009. Uma mesma novela pode ser gravada em vários países. Foi o caso de “Viver a Vida”, que teve cenas rodadas em Israel, Jordânia e França.

De lá para cá, o número cresceu de forma exponencial: atualmente no ar, “Babilônia” teve cenas gravadas em Paris e Dubai. Já “Os Dez Mandamentos”, da Record, teve externas no Deserto do Atacama, no Chile.

O debate central, na verdade, foi lançado no Facebook por um roteirista, que questionou: por que as novelas das 21h nos últimos anos são ambientadas preferencialmente no Rio de Janeiro?

Na opinião de Silva, “a questão é que, por problemas de produção, só dá pra fazer novela no Rio, mesmo que ela se passe em São Paulo ou no raio que o parta”. Segundo o autor da Glob “as emissoras paulistas é que deviam fazer novelas passadas em São Paulo. E não no México, pois aquelas Usurpadoras e outras que tais, por mais que sejam adaptadas, não enganam [a] ninguém”.

O autor de “Império” não perdeu a chance de cutucar a concorrente Record.  “É por isso que as cidades cenográficas da Globo têm sido cada vez mais “realistas”. O Nepal pode ser reconstruído em Curicica, Jacarepaguá, e pra isso nem é preciso botar gente cagando na rua… Mas Paris, não. E eu volto a insistir: ninguém aguenta mais ver novela que começa na capital francesa. Até eu fui a Paris numa das minhas novelas (Duas Caras), não no começo, mas no meio e no final! Ah, e Porto dos Milagres começava na Espanha, mas depois se mudava para o interior da Bahia”, disse.

“Por ser uma emissora carioca e ter todas as facilidades aqui é natural que a Globo apresente novelas predominantemente cariocas. Agora a Record, uma emissora paulista, instalar no Rio os seus estúdios e fazer aqui novelas ‘egípcias’, bem…”

|

Comentários no Facebook