Ministério Público investigará venda de camiseta infantil em site de Huck

ReproduçãoGrife de Luciano Huck havia colocado à venda camiseta infantil imprópria

por
  • Reprodução

    Ministério Público investigará venda de camiseta infantil em site de Huck

    Grife de Luciano Huck havia colocado à venda camiseta infantil imprópria

O Ministério Público do Rio de Janeiro irá investigar a grife do apresentador Luciano Huck por conta de uma série de camisetas infantis impróprias, incluindo uma com frase “vem ni mim que eu tô facim”.  A peça, disponibilizada no site da marca, causou polêmica entre internautas, que inclusive acusaram Huck de apologia à pedofilia.

A assessoria de imprensa do órgão confirmou ao Popzone que recebeu denúncias referentes à camiseta e que encaminhou o caso para serem tomadas as “medidas cabíveis”.

O comunicado divulgado pelo MP diz, na íntegra: “O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça da Infância e Juventude, recebeu denúncia referente à venda de camisetas com frase inadequada utilizando a imagem de uma criança e imediatamente distribuiu a uma das Promotorias de Justiça da Tutela Coletiva, para adoção das medidas cabíveis. Vale destacar que, diante do clamor da população, o próprio site retirou a venda do produto.”

A assessoria de imprensa do apresentador não se pronunciou sobre o caso até a publicação desta nota. Na última terça-feira (3), o Grupo Reserva, responsável pela marca, já havia retirado os produtos do site e se desculpado publicamente pelo ocorrido.

Reprodução/UseHuck

Ministério Público investigará venda de camiseta infantil em site de Huck

Modelos de camisetas infantis vendidas no site de Use Huck

Ministério Público investigará venda de camiseta infantil em site de Huck

Leia o pedido de desculpas na íntegra:

"Pedimos profundas desculpas sobre a camiseta Vem Ni Mim Que Tô Facinha e sentimos muito por todos que foram ofendidos pela imagem.

Este comunicado não tem o objetivo de justificar o injustificável; mas apenas de explicar o motivo do erro para que fique claro que não houve qualquer intenção maldosa.

Não nos eximimos do erro, nem de qualquer responsabilidade, mas é importante esclarecer que não houve a intenção de ofensa.

É comum em e-commerce que as artes das estampas sejam aplicadas posteriormente sobre fotos dos modelos com camiseta branca, conforme o exemplo abaixo.
Por erro nosso, todas as artes de Carnaval (inclusive e infelizmente, esta arte) foram aplicadas sobre a coleção infantil e disponibilizadas no site sem a devida revisão.

Assim que percebemos esse lamentável erro, imediatamente retiramos a imagem do ar e decidimos escrever essa carta para explicar tecnicamente o problema conjuntamente com um pedido de desculpa pela falta de bom-senso e pelo descuido.

Obviamente, não fosse o erro, nem a USEHUCK, nem qualquer outra marca, teria a intenção de usar uma imagem como essa para vender camisetas ou para qualquer outro fim."

Rony Meisler, CEO Grupo Reserva

Você também vai curtir