TOPO

Após não receber direitos de “Crô”, Aguinaldo descarta filme sobre Xana

por Redação / Publicado em sexta-feira, 20 mar 2015 11:29 AM / / 255 views
  • Após não receber direitos de "Crô", Aguinaldo descarta filme sobre XanaAguinaldo Silva entre Alexandre Nero e Marcelo Serrado, estrelas da comédia “Crô – O Filme”, em um cinema do Rio. O longa é baseado no personagem homônimo que fez sucesso na novela “Fina Estampa”

Apesar de “O Crô – o filme” ter ficado na lista dos mais vistos em dezembro de 2013, tendo arrecadado R$ 4,4 milhões em um fim de semana, o roteirista e criador do personagem vivido por Marcelo Serrado, Aguinaldo Silva ainda não recebeu pelos direitos autoriais do longa.

Por conta disso, o autor não tem interesse em levar a história de cabeleireira Xana Summer personagem vivido por Ailton Graça na novela “Império” para as telonas. O mais provável é que vire um seriado, conforme adiantou Graça para imprensa na última quarta-feira (18). Sucesso no folhetim “Fina Estampa” (2011 – 2012), o mordomo Crô, acabou virando protagonista de um filme dirigido por Bruno Barreto (“Flores Raras”).

A produtora do filme Paula Barreto confirmou ao Popzone que ainda não conseguiu pagar os cerca de R$ 150 mil que deve ao autor, porque só teve prejuízo com o longa, que custou R$ 5.5 milhões.

“Tive um prejuízo de R$ 1,6 milhão no ‘Crô’, foi um filme que não consegui captar R$0,01. Só tivemos incentivos fiscais da produtora Paris Filme, da Globo Filmes e Telecine Productions. Ou seja, captei cerca de R$ 3,9 milhões. Sobrou R$ 1,5 milhão, mas não consegui pagar todo mundo. Como o Aguinaldo sempre me falava: ‘Paula, tudo bem, eu entendo. Quando você puder  você me paga, o importante é fazer o filme… Venho mantendo contato com ele, explicando que a situação não mudou. Continuamos na mesma pindaíba”, disse ela.

Paula ainda falou da dificuldade do filme em conseguir patrocinadores por conta da temática homossexual do personagem central. “O Crô teve muita dificuldade para conseguir [patrocínio] de marcas, algo que eu já mais acreditei que teria. A agência que ajudou a gente com a divulgação dizia que arrecadaríamos R$ 2 milhões fácil, por conta da popularidade do personagem. Mas ao contrário, o brasileiro apesar de parecer uma coisa é outra. É muito reacionário, conservador e preconceituoso. O Crô era um personagem gay”, afirmou.

“Só dá dinheiro as comédias. O Crô não era uma comédia simples que o público gosta. Tinha um pano de fundo sobre o trabalho dos bolivianos na indústria têxtil”, completou ela.

O ator Marcelo Serrado é outro que ficou sem receber. Para ele, ainda falta o bônus em relação às vendas de bilheterias.

Filme no Brasil

Paula também comentou sobre o papel das distribuidoras no país. “Quando o filme estava com quatro semanas, um milhão de expectadores, as distribuidoras Downtown Filmes e Paris lançaram ‘Até que a Sorte os Separe 2’ que já era um sucesso, ou seja, não deram um tempo para o ‘Crô’ sem um concorrente. Se isso tivesse acontecido ele poderia ter arrecado mais uns R$ 3 milhões. Mas as distribuidores não estão nem aí, elas recuperam o lucro delas e depois já lançam outro projeto”, desabafou Paula.

Em relação aos R$ 4,4 milhões arrecadados em um fim de semana, a produtora explica que só pagou os distribuidores, os exibidores, o diretor, entre outros. “Para mim não sobrou nada”.

“Fazer cinema no Brasil é muito complicado. A Ancine que deveria ser mais reguladora, fiscalizadora junto aos exibidores não é. Os exibidores tiram o filme quando querem das salas, colocam somente uma sessão, disponibilizam só um horário. Estamos órfãos. A agência só quer fomentar, decidir o que os produtores vão produzir”, criticou.

|