TOPO

A explosão do conteúdo nacional na TV paga

por Christian Simon / Publicado em segunda-feira, 02 mar 2015 14:04 PM / / 330 views

A produção independente para a TV por assinatura vive um "boom" sem precedentes no Brasil. Uma lei de 2011 estabeleceu uma cota mínima de produções locais para todos os canais pagos do País. A obrigação elevou em 385% a veiculação de conteúdos nacionais de 2010 a 2013, com a criação de nada menos que 300 novas séries, entre ficcionais e documentais, segundo estimativas do setor. Na semana passada, o Rio Content Market, evento dedicado à produção de conteúdo, reuniu 3,5 mil pessoas, na capital fluminense – na primeira edição, há quatro anos, foram 800 participantes.

Como o mercado cresceu rapidamente, as produtoras lutam para se adaptar à nova demanda. Segundo o presidente da Conspiração Filmes, Gil Ribeiro, o aumento do espaço para a veiculação de produção nacional não veio acompanhado de uma expansão proporcional do orçamento disponível para a realização dos conteúdos. "Houve uma alta de custos generalizada e há dificuldade em viabilizar (séries) com as verbas destinadas pelos canais."

Embora exista um fundo de incentivo setorial voltado à produção independente, o sócio-diretor da Hungry Man, Alex Mehedff, explica que a liberação dos recursos nem sempre "casa" com as necessidades de veiculação das emissoras. A realização da segunda temporada de uma série, por exemplo, não pode esperar a liberação do dinheiro oficial sob pena de o espectador simplesmente esquecer-se dela. "As produtoras muitas vezes adiantam o dinheiro da produção", diz Mehedff. O problema, segundo ele, é que a maioria do mercado não tem capital de giro para isso e acabam recorrendo a empréstimos.

Além do desequilíbrio financeiro, existe também uma carência de mão de obra no setor (leia mais abaixo). Para Andréa Barata Ribeiro, sócia e diretora executiva da O2 Filmes, a cota de produção independente trouxe a profissionalização das atividades de roteiro e produção. "Muita gente vem se preparando para trabalhar na área, mas acredito que só chegaremos ao equilíbrio em dez anos."

Além da cota

Ter mais dinheiro em mãos e profissionais mais preparados para fazer um produto de qualidade é essencial para que o mercado cresça além da imposição da cota, na visão dos produtores de conteúdo. Segundo Ribeiro, da Conspiração Filmes, algumas séries conseguem sair da conta das produtoras e passar para o orçamento dos exibidores. Foi o que ocorreu com Amor Veríssimo, da GNT. "Fizemos a primeira temporada com dinheiro incentivado, mas a segunda já foi financiada pelo próprio canal."

Para as operadoras de TV a cabo, que inicialmente se posicionaram contra a cota de conteúdo nacional, a grande pergunta a ser respondida é se as séries nacionais poderão ser um bom "gancho" para atrair audiência e, no fim das contas, assinantes. "Ainda é cedo para fazer esse diagnóstico", diz Oscar Simões, presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA).

Mas existem evidências de que o produto local é bem aceito. Em 2013, cinco das dez maiores audiências da TV por assinatura brasileira eram para séries nacionais. A líder, a comédia Vai Que Cola, do Multishow, chegava a ter mais do que o dobro da audiência de títulos internacionais como The Walking Dead. "Acredito que o público brasileiro quer se identificar com o que assiste, ver personagens que reflitam sua realidade", afirma João Daniel Tikhomiroff, fundador da produtora Mixer.

Grande público

Embora a TV paga represente a maior parte da demanda pela produção independente, aos poucos também se abre espaço nos canais abertos, nos quais orçamento de produção pode chegar a R$ 1,5 milhão por episódio, contra a média de R$ 200 mil das emissoras fechadas.

A TV Globo exibiu recentemente Felizes para Sempre?, produção da O2. Na semana passada, o SBT anunciou que mostrará A Garota da Moto, da Mixer, em 2016.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

|

Comentários no Facebook